Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Número de mulheres mortas em SP bateu recorde em agosto

Entre janeiro e agosto deste ano, pelo menos 63 mulheres foram mortas por seus companheiros

Somente no Estado de São Paulo, entre janeiro e agosto deste ano, pelo menos 63 mulheres foram mortas por seus companheiros. Os crimes se enquadram como homicídio com agravante de feminicídio, característica que se dá pelo fato de a vítima ser uma mulher, por ocorrer em ambiente de violência doméstica ou por menosprezo da condição de mulher ou discriminação. O recorde de casos se deu em agosto, quando 12 assassinatos foram registrados no Estado.

Morta pelo marido com quatro tiros, na capital, em 12 de agosto, Geisa Daniele Soares Feitosa, de 30 anos, tinha cinco filhas. No dia 21 do mesmo mês, atingida com dois tiros na cabeça, também na capital, Celina Moura Mascarenhas Gama, de 35 anos, deixou um filho. No mesmo dia, a juíza Cláudia Zerati, de 46 anos, assassinada pelo marido, era mãe de uma menina.

Fechando o trágico mês, no dia 27, mais um caso chocante: a estudante de psicologia Gláucia Mercedes de Camargo Machado, de 32 anos, foi morta em Angatuba, interior paulista, esganada pelo companheiro. Ela tinha um filho de 15 anos.

A juíza Teresa Cristina Cabral Santana, da 2.ª Vara Criminal de Santo André, diz que o Estado de São Paulo ainda não tem dados que dimensionem quantos são os órfãos do feminicídio por aqui, mas que o Tribunal tem uma preocupação em fazê-lo.

Crime e penas – Desde 2015, com a Lei 13.104, o feminicídio passou a ser definido como homicídio qualificado. Segundo a advogada criminal e professora de direito penal da Universidade Mackenzie Patrícia Vanzolini, a pena para um homicídio simples é de 6 a 20 anos de reclusão. A progressão de regime se dá com 1/6 de cumprimento da pena e o livramento condicional, com 1/3. “Quando o homicídio é qualificado, a pena é de 12 a 30 anos e ela pode ser aumentada para até 45 anos”, diz.

“O crime ser praticado na presença de filhos aumenta a pena de um terço à metade – então, uma pena máxima de 30 pode chegar a 45 anos – e torna-se crime hediondo, o que exige cumprimento de 40% da pena antes de ter a primeira progressão”, afirma a advogada.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Morre 4000 mulheres assassinadas por ano enquanto morre 46.000 homens assassinados por ano em média no Brasil. Mas o estado só se importa com as mulheres, até quando vai desprezar a vida dos homens? Até que façamos um estado nosso e para nós? Porque esse estado que não se importa conosco apesar da gente ser 90% das vitimas de homicídio, a maioria voltando do trabalho, vocês parecem só se importar com as mulheres, não estamos sendo representados, será que teremos de fazer algo que nos represente?

    Curtir

  2. kaiio Monteiro Cbjr

    Cara vai queima tua rosca trouxa

    Curtir