Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Nos EUA, Bolsonaro fala de “boa” economia e exalta sua gestão na pandemia

Em ato na Flórida, presidente omite a alta da inflação e chega a falar do risco do Brasil virar o "país vizinho", sem citar nominalmente a Venezuela

Por Sofia Cerqueira Atualizado em 11 jun 2022, 15h28 - Publicado em 11 jun 2022, 14h49

A visita do presidente Jair Bolsonaro (PL) a Orlando, nos Estados Unidos, se transformou em um grande ato da pré-campanha neste sábado, 11. Além de uma motociata, o presidente falou a apoiadores e evangélicos que vivem na Flórida. Aos potenciais eleitores, o mandatário deu uma versão muito peculiar da situação no Brasil. Ao microfone, destacou, entre outras, que “estamos indo muito bem na economia”. Não mencionou aos presentes no auditório, por exemplo, que a renda per capita do brasileiro atingiu o menor valor em dez anos. Também omitiu a alta dos preços, com uma inflação acumulada nos últimos doze meses de 11,73%.

View this post on Instagram

A post shared by Allan dos Santos (@allandossantos2022)

Com orgulho, o presidente também falou aos brasileiros presentes, boa parte deles bolsonaristas, de sua gestão durante a pandemia no Brasil. “Talvez tenha sido o único chefe de estado do mundo contra a política de lockdown (política de isolamento)”, declarou. Em seguida, destacou: “Compramos vacina para quem quis e não exigi ou obriguei ninguém que a tomasse. Isso se chama liberdade. Nós devemos decidir o nosso futuro”. Em nenhum momento, mais uma vez, falou da desastrosa política de enfrentamento à Covid-19 no país, que já acumula mais de 668 000 mortes em decorrência da doença.

Em plena pré-campanha pela reeleição, aproveitando que estava diante de uma plateia com muitos evangélicos, Bolsonaro fez questão de tocar em assuntos polêmicos, mas deixando bem claro que está do lado do conservadorismo. Afirmou que “temos princípios, tradição”. E, logo em seguida, exaltou: “Nós somos contra o aborto, contra a ideologia de gênero, contra a legalização das drogas. Defendemos a família, a propriedade privada, a liberdade de armamento. Somos pessoas normais”.

Em seu discurso, Bolsonaro também falou do risco do Brasil mergulhar em problemas semelhantes a um país vizinho, sem citar, no entanto, o nome da Venezuela – que enfrenta a ditadura de Nicolás Maduro e níveis dramáticos de pobreza e fome. “Como chefe do executivo eu tenho que zelar por todos, até os que nos atacam. Os que não sabem ou que não querem ver que o que será do nosso país se formos no caminho do outro país, o mais rico em reserva de petróleo, ao norte do país”, alarmou. Acrescentou em seguida: “Não basta ser um país rico se a sua política, se as suas autoridades têm outro pensamento, o do poder pelo poder”.

A ida de Bolsonaro a Orlando, onde inaugurou um vice-consulado na cidade, marca o último dia de sua viagem aos Estados Unidos. Atualmente vivem no estado quase 500 000 brasileiros, cerca de 180 000 deles só na cidade que abriga os parques da Disney.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)