Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

No Rio, falso tenente-coronel do Exército atuava nas barbas da cúpula da Segurança Pública

Passando-se por tenente-coronel, ele trabalhou por sete meses como coordenador da Secretaria de Segurança até ser desmascarado por colegas

Por Da Redação 18 out 2010, 11h54

Na ficção, o momento é de ver como o capitão Nascimento enfrenta, em Tropa de Elite 2, o envolvimento de políticos corruptos com milícias. Na vida real, a cúpula da Segurança no Rio de Janeiro está intrigada: como Carlos da Cruz Sampaio Júnior, de 44 anos, passando-se por militar, conseguiu penetrar na estrutura do estado e atuar, por sete meses, como coordenador da Secretaria de Segurança.

A história do falso militar veio à tona depois de uma investigação dos próprios colegas de secretaria de Sampaio. Ao tentarem confirmar a autenticidade da documentação de tenente-coronel do Exército apresentada pelo falso militar, veio à tona a farsa. Sampaio, então, foi detido na última quinta-feira, portando um revólver calibre 38. Ele vai responder por falsidade ideológica e falsificação de documento público.

Na manhã desta segunda-feira, o secretário se Segurança, José Mariano Beltrame, determinou a abertura de uma sindicância interna “para apurar as circunstâncias da contratação de Carlos da Cruz Sampaio Júnior”. A sindicância, informou a secretaria, vai analisar os dois períodos em que Carlos trabalhou na Secretaria: de 2003 a 2006 e de julho a outubro deste ano.

A secretaria informou ainda que Sampaio foi contratado para função administrativa na Subsecretaria de Planejamento e Integração Operacional. A investigação correrá também na Polícia Militar. Beltrame pretende solicitar ao Comando Geral da PM que um procedimento semelhante seja instaurado na esfera militar com o objetivo de esclarecer o envolvimento de Carlos com a corporação.

Como coordenador da 1ª Região Integrada de Segurança Pública (Risp), o falso militar tinha, entre suas atribuições, decisões sobre remanejamento de efetivo, planejamento de operações e interpretação das estatísticas de segurança.

Em uma das passagens anteriores pela secretaria, o militar foi mais longe. Em 28 de agosto de 2003, informa nesta segunda-feira o jornal Extra, ele teria representado oficialmente a Secretaria de Segurança em uma reunião da Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, em Brasília.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês