Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

No Congresso, cruzada conservadora agora é contra o ‘x’ como gênero neutro

Aliados de Bolsonaro e defensores da pauta de costumes querem proibir uso de expressões como 'prezadxs', 'menines', e 'tod@s'

Por Evandro Éboli Atualizado em 27 dez 2020, 15h32 - Publicado em 27 dez 2020, 15h30

O segmento conservador no Congresso Nacional, que é considerável, mira agora em outro alvo na defesa de sua pauta de costumes. A nova cruzada desse grupo,  argumentam, visa resguardar a língua portuguesa.

Não por acaso aliados do governo Bolsonaro, pelo menos 4 deputados apresentaram projetos para proibir a adoção no país do gênero neutro da linguagem, aquela que substitui os artigos  “o” e “a” nas palavras e os substituem por “x”, “@”  ou “e”.

Assim, tomando só um exemplo, a expressão prezados vira “prezadxs”, “prezad@s” ou “prezades”. Essa nova forma, englobaria todos os sexos, sem exclusões.

Na prática, a linguagem neutra, ou não-binária,  já vem sendo adotada, ainda de que maneira informal, em publicações e postagens em redes sociais, em discursos de determinadas ocasiões e até em escolas, mas de forma muito incipiente.

O incômodo dessa bancada é o fato de ser essa uma bandeira de movimentos sociais, em especial dos que são ligados às causas LGBTQIA+. Esses deputados não aceitam um “terceiro sexo”, como têm hábito de repetirem ao longo de anos na Câmara e no Senado. Só existem o homem e a mulher.

“É uma tentativa forçada de modificação da língua portuguesa, capitaneada por alguns movimentos sociais, com a falaciosa bandeira de democratização da linguagem. Nossa língua não é preconceituosa, mas sim aqueles que a pretendem utilizar para militância ideológica e exaltação de agenda política, modificando a realidade para moldá-la a seus propósitos escusos”, justifica o deputado Guilherme Derrite (PP-SP). Derrite é capitão da Polícia Militar e autor de um dos projetos que veda a adoção dessa linguagem.

Continua após a publicidade

Muito próxima de Bolsonaro, a deputada Carolina de Toni (PSL-SC) também ataca o que chamou de “novo dialeto” e propõe a defesa da norma culta da língua. Ela defende uma espécie de plebiscito sobre o tema.

“É absolutamente autoritário, ditatorial e antidemocrático que movimentos de minorias, tais como os que propagam o chamado dialeto, linguagem não-binária ou neutra, que toma de assalto as escolas. Pretendam modificar a língua oficial impondo diretamente nas salas de aula, o ensino de uma linguagem que substitua a gramática e a língua oficial, sem antes ter submetido tal pretensão a uma decisão geral da nação e sem aprovação maciça da população brasileira”, argumenta a parlamentar.

“Então, palavras como menina e menino dariam lugar a menine, menin@ ou meninx; todos daria lugar a todes, tod@ ou todx, por exemplo. Inaceitável”, completou Carolina de Toni.

O deputado Junio Amaral (PSL-MG), outro autor de proposta contra a neutralidade de gênero, quer proibir que escolas, bancas examinadoras de seleções de concursos públicos, editais e currículos escolares recorram a essa flexão de gênero.

Outro parlamentar, Julio Cesar Ribeiro (Republicanos-DF), também quer barrar essa novidade no dia a dia da língua portuguesa.

“A discussão para essa substituição vem com o objetivo de incluir pessoas trans, não binárias, intersexo e as que não se identificam com os gêneros masculino e feminino, criando assim o gênero neutro para fins de aprendizagem e alfabetização. O projeto proíbe a substituição do gênero masculino e feminino pelo gênero neutro por considerar que em nenhum momento a modificação da língua portuguesa poderá beneficiar ou minorar os preconceitos existentes”, diz Ribeiro.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)