Clique e assine a partir de 8,90/mês

Multa da água atinge 12% dos clientes da Grande SP

Segundo a Sabesp, 19% dos consumidores da Grande São Paulo continuam consumindo água acima da média

Por Da Redação - 26 fev 2015, 08h20

Balanço parcial divulgado na quarta-feira pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) mostra que 12% dos clientes na região metropolitana foram multados porque aumentaram o consumo de água em fevereiro. Segundo a empresa, 19% dos consumidores da Grande São Paulo continuam consumindo água acima da média antes da crise (de fevereiro de 2013 a janeiro de 2014), dos quais 12% gastaram mais de 10.000 litros no mês e são alvo da sobretaxa implementada no mês passado.

Leia também:

Sabesp diz que obras podem garantir 2015 sem rodízio, mesmo com pouca chuva

Pela regra, quem consome até 20% acima da média pré-crise pagará uma tarifa 20% maior. Quem elevar o consumo acima desse limite pagará sobretaxa de 50% sobre o valor total da conta. Em janeiro, quando a multa entrou em vigor, 22% dos clientes haviam aumentado o consumo.

Neste mês, segundo o balanço parcial, 81% reduziram o consumo. De acordo com a Sabesp, a economia com o bônus chegou a 6.300 litros por segundo, 16% a mais do que em janeiro, quando a redução foi de 5.400 litros por segundo. Na comparação com mês de dezembro, antes da adoção da sobretaxa, a economia obtida agora é 1.500 litros por segundo maior, abaixo da meta estipulada pelo governo, de 2.500 litros.

Segundo a Sabesp, 60% das altas de consumo de água foram provocadas por vazamentos internos nos imóveis e 38% foram altas isoladas ou alteração de perfil do cliente, como um comércio que se expandiu ou uma família que cresceu. Nesses casos, o consumidor pode contestar a multa em uma agência da Sabesp e a empresa promete corrigir a conta.

Conta – O presidente da Sabesp, Jerson Kelman, também admitiu na CPI na Câmara Municipal que a empresa pode pedir reajuste da tarifa de água acima da inflação para equilibrar as finanças da companhia, abaladas pela crise hídrica e por causa do aumento de custos operacionais, como de energia, e da alta do dólar.

Continua após a publicidade
Publicidade