Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Mulheres acertam as contas com o goleiro Bruno

Depoimento de Dayanne complica a vida de Bruno: ex-mulher afirma que ele estava no sítio, diz que foi orientada a mentir e confirma queima de provas

Por Leslie Leitão, Marcelo Sperandio e Pâmela Oliveira, de Contagem 5 mar 2013, 22h51

O sequestro e o assassinato de Eliza Samudio, no qual está diretamente envolvido o homem com quem a jovem teve um caso amoroso e um filho, é o capítulo mais brutal e definitivo da história do goleiro Bruno Fernandes. Os atos de covardia contra Eliza, perpetrados por um grupo que orbitava o sítio do jogador em Esmeraldas e que vivia às custas da fartura de dinheiro dos tempos em que ele foi goleiro do Flamengo, levaram Bruno e seus comparsas ao banco dos réus do Tribunal do Júri de Contagem. Mas antes mesmo de pôr em prática a trama macabra o atleta colecionava atos de machismo, arrogância e desrespeito com as mulheres – entre eles as agressões contra Eliza, forçada a tomar medicamentos abortivos no Rio de Janeiro.

TEMA EM FOCO: Acompanhe o Caso Bruno

Bruno aguarda o desfecho do julgamento e, diante da tendência de condenação, avalia até mesmo uma confissão parcial, como dão a entender seus advogados. Até que ele deponha, possivelmente na quarta-feira à tarde, o jogador que foi ‘o rei’ das orgias no sítio, que comandava festas regadas a muita bebida, acerta pouco a pouco suas contas com as mulheres com quem conviveu nos últimos tempos.

LEIA TAMBÉM:

Bruno tentará se salvar acusando Macarrão

Encurralado, goleiro Bruno avalia os benefícios da confissão

Também ré no processo, Dayanne Souza, com quem Bruno tem duas filhas, foi interrogada na noite desta terça-feira. Não trouxe grandes revelações ao inquérito, mas confirmou alguns aspectos essenciais para a condenação do ex-marido: Bruno sabia da presença de Eliza no sítio, no período em que, segundo a denúncia do Ministério Público, ela ficou em cárcere privado; Macarrão decidia para onde e quando Eliza deveria partir, o que elimina qualquer possibilidade de a defesa afirmar que a jovem poderia circular livremente. Dayanne também afirmou ter recebido ordens de Bruno e Macarrão para mentir. Os dois haviam dito que, caso alguém ligasse, era para negar que a criança estava com ela. Dayanne também afirmou já ter sido agredida por Bruno.

Continua após a publicidade

Até o momento, só foram interrogadas mulheres no julgamento do goleiro. A primeira delas, na segunda-feira à tarde, foi a delegada Ana Maria dos Santos, que começou a investigar o caso. Alvo de declarações preconceituosas do advogado Ércio Quaresma, na fase do inquérito policial, a delegada foi quem detalhou, para os jurados, o passo a passo do crime, desde o sequestro de Eliza e do filho no Rio de Janeiro. Foi bombardeada pelos advogados de defesa, que tentaram confundi-la. Não deu certo: Bruno e os criminalistas Lúcio Adolfo e Tiago Lenoir levaram a pior, e encontraram uma policial absolutamente segura dos detalhes e conhecedora das técnicas de interrogatório que descortinam mentiras do inquirido.

A maré, para o goleiro, não é das melhores com o público feminino. E até quando tentam ajudar as mulheres podem complicar a vida do réu. No depoimento da tarde desta terça-feira, Célia Aparecida Rosa Sales, irmã de Sérgio Rosa Sales – o primo de Bruno assassinado no ano passado – foi ouvida na condição de “informante”. Ela é testemunha de defesa de Dayanne e, por ter parentesco com o goleiro (são primos), foi interrogada sem jurar dizer apenas a verdade. E complicou-se. O promotor Henry Castro quis saber de Célia o motivo de ela declarar que Bruno não estava no sítio, em Esmeraldas, quando Eliza e Bruninho foram levados para o local. “O que motivou a senhora a prestar depoimento e não dizer a verdade?”, perguntou Henry. Nervosa, Célia admitiu a mentira e confessou: “Estava com medo”.

Leia mais:

Goleiro Bruno, enfim, volta a enfrentar a Justiça

Como o goleiro Bruno atraiu Eliza Samudio para a morte

</p>
<p>Acompanhe em tempo real os principais acontecimentos do júri em Minas Gerais</p>
<p>https://storify.com/veja/julgamento-do-goleiro-bruno-2-dia/embed?border=true

Continua após a publicidade
Publicidade