Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Morre o deputado Sergio Guerra, ex-presidente do PSDB

Ele estava internado no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, devido a complicações provocadas por um câncer de pulmão

Por Da Redação 6 mar 2014, 10h32

Morreu nesta quinta-feira, aos 66 anos, o deputado federal tucano Sergio Guerra (PE), ex-presidente do PSDB. Ele estava internado há mais de vinte dias no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, em decorrência de uma pneumonia. O deputado lutava contra um câncer no pulmão. Guerra será velado e enterrado no cemitério Morada da Paz, no Recife.

O deputado e ex-senador foi presidente nacional do PSDB entre 2007 e 2013, quando foi sucedido pelo senador Aécio Neves (MG). Ele foi deputado federal e senador por Pernambuco. O politico substituiu o ex-senador Tasso Jereissati (CE) no comando do partido, em 2007, e ocupava atualmente o cargo de presidente do diretório tucano em Pernambuco e do Instituto Teotônio Vilela. A vaga de Guerra na Câmara deve ser ocupada pelo presidente estadual do PSD em Pernambuco, André de Paula.

Economista e atuante no setor pecuarista, Guerra era politicamente ligado a Aécio, e considerado dono de um perfil conciliador. Foi secretário extraordinário do Estado de Pernambuco, entre 2001 e 2002, e secretário de Indústria, Comércio e Turismo de Pernambuco, de 1997 a 1998. Guerra coordenou a candidatura de Geraldo Alckmin à presidência da República, na eleição de 2006, que reelegeu Lula.

Com a morte de Guerra, a sessão da Câmara nesta tarde deve ser dedicada exclusivamente às homenagens ao parlamentar pernambucano e encerrada ao fim dos discursos.

O presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), determinou que a bandeira do Brasil, em frente ao Congresso, seja hasteada a meio-mastro nos próximos três dias em sinal de luto pela morte do deputado. “Sergio Guerra foi uma referência como democrata e homem público em todos os cargos que exerceu”, disse Calheiros em nota oficial.

Repercussão – Colegas de partido vieram a público lamentar a morte do deputado. “O Brasil perde um dos seus mais extraordinários homens públicos e a oposição, um dos seus principais líderes. Perde a política brasileira e perco eu um dos mais queridos amigos que construí ao longo de toda a minha vida”, disse em sua página no Facebook o senador Aécio Neves (MG), atual presidente do PSDB.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), lamentou a morte do deputado. “Sentiremos muita falta de sua personalidade agregadora, de sua visão de país e de sua capacidade de dialogar com todos os segmentos da sociedade.”

A presidente Dilma Rousseff se solidarizou à família do deputado: “Foi com pesar que tomei conhecimento da morte do deputado federal Sérgio Guerra”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)