Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Lula nunca gostou de mim’, diz Marcelo Odebrecht a procuradores

Ao ver que nunca mais ocuparia a cadeira de presidente da companhia, empreiteiro desafiou o pai e definiu sozinho o que diria à força-tarefa da Lava Jato

Marcelo Odebrecht decidiu atravessar o samba no segundo dia das conversas com procuradores da Lava Jato que precederam sua delação. Indagado a respeito de suas relações com o ex-presidente Lula, respondeu: “O Lula nunca gostou de mim. Quem sempre tratou de tudo com ele foram o meu pai e o Alexandrino (Alencar, diretor de relações institucionais)”. A resposta não estava no roteiro que advogados da empresa haviam traçado diretamente sob a batuta de Emílio Odebrecht, o pai de Marcelo. Por essa estratégia, Emílio seria poupado de maiores responsabilidades nos malfeitos da empresa, da mesma forma que executivos-chave como Pedro Novis, ex-presidente do conselho da Braskem. Já Marcelo tomaria para si a parte mais pesada da culpa. Isso permitiria que mais executivos se mantivessem em seus cargos e continuassem tocando a empresa. Em outras palavras, Marcelo seria o cordeiro do sacrifício cujo sangue irrigaria o império presente em 26 países e responsável por um faturamento de 125 bilhões de reais em 2015 (a Odebrecht é a maior construtora do Brasil e a 13ª do mundo). Ocorre que o príncipe dos empreiteiros começou a achar que a conta estava salgada demais para ele.

Naquele dia em que disse não ser próximo de Lula e apontou o dedo para o próprio pai, Marcelo implodiu de uma vez as pontes que ainda o ligavam à empresa. Aos gritos, desafiou os advogados Theo Dias e Adriano Maia — o primeiro, contratado pela Odebrecht, e o segundo, diretor jurídico da empreiteira. Ambos participavam da conversa com os investigadores, juntamente com a irmã de Marcelo, Mônica, e o também advogado Luciano Feldens — contratado pessoalmente por Marcelo depois que ele passou a achar que estava sendo prejudicado na divisão da culpa. A rebeldia do primogênito da família não apenas selou o seu distanciamento da Odebrecht como também deixou claro que a relação com Emílio, seu pai, que sempre havia sido turbulenta, chegava ao seu pior momento.

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Luiz Pereira

    Não sei por que mas esse ‘Lula nunca gostou de mim’ não cheira bem. Pode ser mais uma artimanha para o MO não entregar o capo! Ao negar proximidade com o chefão ele não o entrega, não é atoa que o cara é considerado quase um gênio. Acredito tanto na sinceridade e chilique do Marcelo Odebrecht quanto o Lulla dizer que não viu nada, não sabia de nada.

    Curtir

  2. Rogério James de andrade

    Oh Que coisa terrível!O Lularápio não gostava dele? Vai mudar o quê?Vá tramar assim na casa da pauta que o pariu!

    Curtir

  3. Sérgio Tricarico

    Calma, não é assim Marcelinho. Lula nunca gostou de ninguém, ele gosta mesmo é de grana.

    Curtir

  4. não gosta e dar tudo isso,já pensou se não gostasse esse otário tá gostando é do rôludo que visita ele a noite na cela.

    Curtir

  5. Ezequiel lima feitosa

    Lula tá certo de não gostar de vc,vc queria pagar mixaria nos contratos.kkkkk

    Curtir

  6. Alex Damasceno

    Se não gostava entes, imagine agora?!?!

    Curtir

  7. Helio José Andrade Santos

    Ué, esse Marcelinho e o Lula jantavam nos melhores restaurantes de Paris, a cada 2 meses. Com o dineiro da corrupção, com o nosso dinheiro. Ou eram gays, ou se gostavam muito, ou eram para ver aonde iriam guardar o dinheiro do roubo, no Panamá, nas Bahamas. Mas não se gostavam? Estranho.

    Curtir

  8. silvio teixeira filho

    Não esqueçam que a história mostra, que o Povo não é bobo, essa conversa do Marcelo Odebrecht está escondendo muitas coisas desagradáveis, será que o Marcelo Odebrecht vai continuar mentindo???

    Curtir