Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Justiça britânica abre investigação sobre escândalo das escutas ilegais

Por Sean Dempsey 28 jul 2011, 09h03

A investigação pública sobre o escândalo das escutas telefônicas na Grã-Bretanha foi oficialmente lançada nesta quinta-feira pelo juiz Brian Leveson. As audiências estão marcadas para setembro.

A comissão, que tem 12 meses para avaliar suas recomendações, analisará em primeiro lugar a legislação relativa aos meios de comunicação e a proteção à vida privada.

“Haverá um debate sobre os limites da noção de interesse público”, indicou o juiz.

A imprensa britânica recorreu a práticas questionáveis, como subterfúgios ou a utilização de escutas ilegais, para obter informações evocando o “interesse público”.

Além do juiz Leveson, a comissão inclui 6 membros, entre eles um conhecido militante dos direitos humanos, chefe da polícia, um ex-chefe do OFCOM (regulador das telecomunicações), dois jornalistas e o ex-presidente do Financial Times.

Continua após a publicidade

Os membros da comissão deverão prestar contas de seus eventuais vínculos como grupo Murdoch, cujo tabloide News of the World está no coração do escândalo.

A comissão terá todos os poderes para proceder a audiências a partir de setembro. As testemunhas deverão prestar juramento para poder depor.

A partir de outubro serão organizadas mesas redondas sobre ética e as práticas da mídia.

A comissão deve também formular recomendações para delimitar melhor as práticas da imprensa, hoje autorregulada por uma comissão reconhecidamente ineficiente, a Press Complaints Commission.

O escândalo, que alcançou proporçõs sem precedentes desde a revelação, em 4 de julho, que a caixa de mensagens de voz de uma menina assassinada, Milly Dowler, foi pirateada, atinge também o mundo político, a polícia e a imprensa britânicas.

Altos dirigentes da Scotland Yard se viram obrigados a renunciar, entre eles o chefe da força. A polícia é acusada de ter abafado a primeira investigação iniciada em 2006 e de ter mantido vínculos estreitos com o grupo do magnata Rupert Murdoch.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês