Clique e assine com até 92% de desconto

Justiça afasta Leonardo Prudente da presidência da Câmara

Por Da Redação 18 jan 2010, 15h38

O juiz Álvaro Ciarlini, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJ-DF), determinou nesta segunda-feira o afastamento imediato do deputado distrital Leonardo Prudente (sem partido) da presidência da Câmara Legislativa. Prudente é o deputado flagrado em vídeo ao guardar nas meias o dinheiro do esquema de corrupção conhecido como o mensalão do DF.

Ciarlini acatou um pedido do Ministério Público Federal. A ação que pedia o afastamento de Prudente do comando da Casa foi registrada pelo secretário-geral da Central Única dos Trabalhadores (CUT-DF), Cícero Batista Araújo Rola. Em dezembro, o deputado Leonardo Prudente havia pedido afastamento por 60 dias das suas atribuições de presidente, mas voltou ao cargo menos de um mês depois, sem comunicar a Mesa Diretora da Câmara. Foi então que a CUT moveu ação contra ele no TJ-DF.

Além dele, nove deputados distritais (sendo dois suplentes atualmente fora do cargo) são citados no inquérito da Operação Caixa de Pandora como beneficiários do esquema que teria o governador José Roberto Arruda (sem partido) como chefe. O juiz estipulou multa de 100.000 reais por dia caso Prudente não cumpra a decisão.

“É indispensável que o Poder Judiciário se posicione, neste momento, com firmeza e assertividade sobre esses fatos que, se verdadeiros, podem ser considerados uma verdadeira tragédia imposta pela virtual (e ainda não cabalmente comprovada) irresponsabilidade, egoísmo e absoluta ausência de civismo das partes virtualmente implicadas nesses tristes episódios”, afirma o juiz Ciarline no despacho.

“A contribuição a ser dada agora pela Justiça do Distrito Federal e dos Territórios será, decerto, viabilizar que os procedimentos atualmente em curso na Câmara Legislativa local sejam objeto de esclarecimento, de forma idônea e, portanto, moralmente adequada”, completa.

Procurado, o deputado distrital Leonardo Prudente disse, por meio de sua assessoria de imprensa que “decisão judicial não se discute, nem se comenta, se cumpre”. Uma vez afastado da presidência da Câmara assumirá o seu lugar o vice-presidente, deputado Cabo Patrício, do PT.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade