Clique e assine a partir de 9,90/mês

Jornalista nega que tenha entregue dinheiro do PT a mensaleiro

Meire Poza, ex-contadora do doleiro Alberto Youssef, diz que foi três vezes à casa de Breno Altman, militante do PT e amigo de Dirceu, buscar dinheiro para Enivaldo Quadrado. O jornalista nega

Por Da Redação - 11 out 2014, 10h08

Há três semanas, VEJA revelou que o mensaleiro Enivaldo Quadrado estava chantageando o PT. Ele ameaçava contar que, em 2004, o partido comprara por 6 milhões de reais o silêncio do empresário Ronan Maria Pinto, que – em outra chantagem – ameaçava envolver o ex-presidente Lula, o ministro Gilberto Carvalho e o ex-ministro José Dirceu no assassinato do prefeito Celso Daniel, de Santo André. O que assustava os petistas era a possibilidade de Quadrado desvendar para a Polícia Federal o significado de um documento apreendido no escritório do doleiro Alberto Youssef, alvo da Operação Lavo Jato: um contrato mostrando que os tais 6 milhões de reais exigidos em troca do silêncio foram efetivamente transferidos para Ronan Maria Pinto em 2004.

Leia também:

Meire Poza, o chantagista e a mala de dinheiro

Nesta semana, em depoimento à CPI mista da Petrobras, Meire Poza, ex-contadora de Youssef, afirmou que o PT realmente pagou Quadrado, também envolvido na engenharia financeira do golpe contra a Petrobras. Segundo declarou aos parlamentares, ela própria foi três vezes – em maio, junho e julho deste ano – à casa do jornalista Breno Altman, militante do PT e amigo de Dirceu, buscar dinheiro para Quadrado – parcelas equivalentes a 15.000 reais mensais. Em duas ocasiões, recebeu um pacote de reais. Em outra, dólares. De acordo com ela, contudo, as quantias teriam sido usadas para quitar a multa imposta pela Justiça na condenação do mensalão. Em entrevista a VEJA, concedida por e-mail, o jornalista negou que tenha entregue dinheiro do PT a Meire para que repassasse a Quadrado:

Continua após a publicidade

O senhor afirma que tem relações pessoais com o sr. Enivaldo Quadrado desde os anos 90. Como travaram conhecimento e para quais finalidades? Ele trabalhava em uma corretora de investimentos e eu era sócio de uma editora. Passamos a ter contatos a partir de então.

Qual foi a última vez em que teve contato com ele? Há dois ou três meses.

O senhor afirma que Enivaldo Quadrado e Meire Poza estiveram em sua casa duas vezes. Quando aconteceram esses encontros? Provavelmente entre maio e junho.

O senhor afirma que pediu os encontros com Enivaldo Quadrado para que ele lhe prestasse assessoria contábil para exportação de serviços jornalísticos e de consultoria. Por que decidiu pedir assessoria contábil ao dono de uma revenda de carros usados condenado num processo por lavagem de dinheiro? Não pedi assessoria contábil a ele, mas uma indicação para minha necessidade profissional, em função de sua experiência no mercado financeiro. A sra. Meire Poza o acompanhou por esse motivo.

Continua após a publicidade

O senhor entregou dinheiro em três ocasiões a Meire Poza – duas vezes reais, uma vez dólares – para que ela repassasse as quantias ao mensaleiro Enivaldo Quadrado? Não.

Meire Poza alega ter uma gravação que comprova um dos encontros para recolher dinheiro com o senhor. Essa afirmação o surpreende? Não pode haver provas daquilo que inexistiu.

O senhor tomará medidas legais contra Meire Poza? Que tipo de reclamação legal pretende fazer? Já acionou advogado? Meu advogado está analisando seu depoimento para verificar qual a melhor providência.

Em depoimento dado por Marcos Valério em 2012, o senhor é citado como a pessoa que fazia a intermediação entre o chantagista Ronan Maria Pinto e o PT. O que tem a dizer sobre essa alegação? Mentira deslavada.

Continua após a publicidade

O senhor presta ou prestou serviços ao Governo Federal em tempos recentes? Nem em tempos recentes, nem ancestrais. Jamais fui funcionário de qualquer governo ou partido. Jamais prestei serviços ao Estado.

Publicidade