Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Filme sobre Tancredo teve verba de Eike Batista

Por Da Redação - 25 out 2011, 10h41

Por AE

São Paulo – Três grandes empresas pagaram a conta do documentário Tancredo, a Travessia, produzido pela Intervídeo, do produtor Roberto d�Ávila: Usiminas, Souza Cruz e a EBX, de Eike Batista. Produzido a partir de 2008, o filme, segundo a assessoria de imprensa da produtora, não contou com verbas públicas.

O governador Geraldo Alckmin, o ex-governador José Serra e o senador Aécio Neves estavam na lista de convidados ilustres para a estreia do documentário, realizado ontem à noite, em São Paulo. Os líderes tucanos foram especialmente convidados por d�Ávila e pelo diretor do filme, Silvio Tendler.

A cantora Fafá de Belém – que aparece no documentário cantando o Hino Nacional durante as Diretas Já – e o cineasta Bruno Barreto também figuravam na lista de convidados.

Publicidade

Com cerca de 100 minutos, o novo filme de Tendler completa, ao lado de Os Anos JK e Jango, uma série com a qual o diretor recupera, em depoimentos e imagens, três décadas da história do País – desde o suicídio de Getúlio Vargas, em 1954, até a dramática morte de Tancredo, em 1985, às vésperas de tomar posse como presidente da República.

O filme já foi exibido em abril, no festival É Tudo Verdade. Ficou evidente, então, que Aécio merece tratamento mais generoso da produção. Embora não tivesse nenhuma participação direta nos episódios mais importantes da vida política do avô – ele tinha 25 anos e era secretário particular de Tancredo quando ele morreu, em 1985 – as aparições de Aécio no filme são marcantes. O senador está presente em mais de dez inserções, opinando sobre muitos episódios vividos por Tancredo.

Políticos que em 1985 partilharam do movimento Diretas Já e da disputa no colégio eleitoral que o elegeu presidente – como Fernando Henrique Cardoso ou José Sarney – aparecem em cenas bem mais breves.

�Histórico�

Publicidade

Cobrados quanto a esse tratamento, Tendler e Roberto d�Ávila refutaram a tese de que o filme serviria a propósitos políticos de Aécio. “Não é um filme chapa-branca”, jurou o produtor d�Ávila. Tendler garantiu que seu projeto era fazer “um filme histórico” e que se Aécio o utilizaria politicamente era algo que “não lhe passava pela cabeça”. Chegou a citar rivais dele que fazem depoimentos no filme – entre eles Jarbas Vasconcellos (PMDB-PE).

Num tom contido, mas elogioso, o filme entrevista 28 personalidades – entre políticos, jornalistas e familiares – e repassa grandes episódios da vida de Tancredo: sua participação nos dias finais de Getúlio Vargas, a articulação para a posse de João Goulart em 1964, os contatos com o general-presidente Castelo Branco, sua atuação como oposicionista do regime militar e os discursos nos comícios das Diretas Já. A narração é dividida entre Beth Goulart, Christiane Torloni e José Wilker. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Publicidade