Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Estudo aponta problemas em 57,4% das rodovias do país

Segundo a pesquisa, São Paulo continua tendo a melhor malha rodoviária. O Pará apresenta a pior situação

Mais da metade dos 92,747 mil quilômetros de rodovias pavimentadas do Brasil apresentam algum tipo de problema. O diagnóstico foi divulgado nesta quarta-feira pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), em Brasília, na divulgação da 15ª Pesquisa CNT de Rodovias. A pesquisa mostra que 57,4% das rodovias têm alguma deficiência e 26,9% estão em situação crítica. De 2010 para 2011 o estudo mostra o aumento de pontos críticos de 109 para 219.

O levantamento foi realizado durante 39 dias, de 27 de junho a 4 de agosto, avaliando 100% das rodovias, nos aspectos de pavimento, sinalização e geometria. O estado de São Paulo continua tendo a melhor malha rodoviária do país, segundo a pesquisa. O ranking das dez melhores rodovias mostra que todas elas passam por São Paulo e são concessões privadas dos trechos. De acordo com o estudo, o Pará tem a pior situação.

A pesquisa mostra que são discrepantes os resultados das rodovias sob concessão privada e sob gestão pública. Segundo o levantamento, 66,2% da malha sob gestão pública têm algum tipo de problema, ao passo que na administração privada o índice cai para 13,1%.

Investimentos – O investimento total necessário em infraestrutura – rodovias, ferrovias, hidrovias, portos e aeroportos – é de 450 bilhões de reais. Desse montante, 200 bilhões de reais deveriam ser destinados a rodovias, segundo estimativa do diretor executivo da CNT, Bruno Batista.

O levantamento mostra também um descompasso entre os investimentos em rodovias e os prejuízos causados por acidentes nas estradas em 2010. Enquanto os aportes federais na malha rodoviária somaram 9,85 bilhões de reais, os prejuízos em função de acidentes totalizaram 14,1 bilhões de reais.

Batista criticou o baixo investimento do governo federal em infraestrutura e a má gestão dos recursos públicos. “A necessidade de investimento é urgente”, observa. “Se o governo não consegue fazer os investimentos, que forneça a ferramenta institucional para que a iniciativa privada o faça”.

O representante da CNT destacou que o governo precisa regulamentar as parcerias público-privadas (PPP). “Esse módulo institucional nunca deslanchou no País”, afirmou. “Sem esse marco regulatório as empresas não conseguem investir”. Batista disse ainda que de setembro para cá 500 obras em rodovias foram paralisadas em função de irregularidades.

(Com Agência Estado)