Clique e assine com 88% de desconto

Estados Unidos aprovam pílula para prevenir aids

Por Da Redação - 17 jul 2012, 09h37

Por Fernanda Bassette

São Paulo – A FDA – agência americana que regulamenta remédios e alimentos – acaba de aprovar a indicação do antirretroviral Truvada como forma de prevenir a infecção pelo HIV. Apesar disso, o Departamento de DST/Aids do Ministério da Saúde afirmou que não vai mudar a estratégia de prevenção à doença no Brasil.

A indicação da droga como forma de profilaxia antes da exposição ao vírus vem exatamente um ano depois de dois grandes estudos americanos demonstrarem que o consumo diário de uma dose oral do Truvada pode reduzir em até 78% a transmissão do vírus para pessoas saudáveis que mantêm relações com parceiros de alto risco, entre elas casais sorodiscordantes (em que apenas um deles tem o vírus) e homens que fazem sexo com homens.

O Truvada é a combinação de dois antirretrovirais: tenofovir com emtricitabina. A droga é produzida pelo laboratório Gilead e conseguiu o registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em maio deste ano. “O Truvada é para ser utilizado na profilaxia prévia à exposição em combinação com práticas de sexo seguro para prevenir as infecções do HIV adquiridas por via sexual em adultos de alto risco. O Truvada é o primeiro remédio aprovado com essa indicação”, afirmou a FDA em nota.

Publicidade

Otimismo

A pesquisadora Valdilea Veloso, diretora do Instituto de Pesquisas Clínicas Evandro Chagas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), diz que o Truvada é uma potencial arma de prevenção da doença, especialmente entre homens que fazem sexo com homens – grupo de alto risco de contaminação.

Valdilea diz ver com otimismo a indicação do uso do Truvada como mais uma forma de combate à doença de maneira complementar ao que já existe – como fazer sexo seguro – e não como um substitutivo.

Para ela, os estudos clínicos demonstraram que não há risco de acontecer a “desinibição sexual”, que é a pessoa parar de se proteger com preservativos por acreditar que a medicação sozinha já garantiria a prevenção.

Publicidade

“Não podemos generalizar e achar que as pessoas vão fazer mau uso desse instrumento de prevenção. Além disso, o que o Brasil tem disponível hoje como política de prevenção à doença definitivamente não deu conta de controlar o avanço da epidemia. Novos casos surgem todos os dias”, diz a pesquisadora.

Nada muda

Apesar do otimismo em torno da indicação do uso do Truvada como prevenção, Ronaldo Hallal, coordenador de cuidado e qualidade do programa de DST/Aids do Ministério da Saúde afirmou que, por enquanto, nada muda no País.

De acordo com ele, o grupo técnico do ministério se reuniu recentemente para atualizar as diretrizes, discutiu esse assunto, mas decidiu manter tudo como está, com foco no incentivo ao sexo protegido, no diagnóstico e tratamento e na oferta da profilaxia pós-exposição (para pessoas que fizeram sexo desprotegido com parceiro de risco).

Publicidade

“Os estudos demonstram que, se a pessoa doente for tratada corretamente, há uma redução de até 95% na transmissão do vírus. Esse é um resultado bem mais eficaz que os 75% alcançados com a profilaxia pré-exposição”, afirmou Hallal.

Para Hallal, o Truvada como prevenção ainda tem várias lacunas, como o aparecimento de possíveis efeitos colaterais a longo prazo, o risco de baixa adesão e o risco de resistência à droga.

“Estamos falando de resultados obtidos em estudos controlados, em que as pessoas são orientadas e acompanhadas a cada 30 dias. Transpor esses resultados para a vida real, numa política de saúde pública, é totalmente diferente”, diz Hallal.

Para Valdilea, é um retrocesso o fato de o governo afirmar que “nada muda” na política de DST/Aids sem existir uma ampla discussão com pacientes e comunidade científica.

Publicidade

“A OMS está discutindo intensamente esse assunto. O mundo inteiro vê isso com otimismo. É claro que muita coisa ainda precisa ser discutida, mas antes de descartar a possibilidade, precisamos ver como as pessoas de risco percebem a chegada desse medicamento e se elas estão dispostas a usá-lo ou não”, diz. “Esse foi só o primeiro passo.” As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Publicidade