Clique e assine a partir de 9,90/mês

Escoltados pela PF, vereadores tomam posse e voltam para a cadeia

Cinco parlamentares da Câmara de Foz do Iguaçu (PR), reeleitos em 2016, estão presos por suspeita de envolvimento em esquema de corrupção na prefeitura

Por Da redação - Atualizado em 19 Jan 2017, 21h45 - Publicado em 18 Jan 2017, 14h27

Cinco vereadores de Foz do Iguaçu (PR) reeleitos no ano passado saíram da cadeia, onde estavam presos por suspeita de envolvimento em um esquema de corrupção, foram até a Câmara escoltados pela Polícia Federal (PF), tomaram posse com os policiais ao fundo e voltaram para a prisão.

A posse, ocorrida na manhã desta quarta-feira, foi feita por determinação da juíza Juliana Arantes Zanin Vieira, da Vara de Execuções Penais e Corregedoria dos Presídios de Foz do Iguaçu, e ocorreu sob forte tumulto. Em um vídeo gravado no momento da posse, é possível ouvir manifestantes vaiando os vereadores enquanto faziam o juramento. Dezenas de pessoas ocuparam a galeria da Câmara com cartazes contra a iniciativa aos gritos de “vergonha” e de pedidos de renúncia dos parlamentares.

Os vereadores – Anice Gazzaoui (PTN), Darci Siqueira (PTN), Rudinei de Moura (PEN), Edilio Dall’Agnol (PSC) e Luiz Queiroga (DEM) – estão presos desde do dia 15 de dezembro do ano passado quando a PF deflagrou a 5ª fase da Operação Pecúlio, que investigava parlamentares suspeitos de terem recebido propina para aprovar projetos de interesse da prefeitura e de terem participação em fraudes de licitações para a área da saúde. Os parlamentares fizeram o juramento, assinaram o livro de posse e saíram escoltados.

Na 5ª fase da operação, batizada de Nipoti, doze dos quinze vereadores da cidade foram presos por suspeita de envolvimento no esquema de corrupção. A 6ª fase da operação, deflagrada no dia seguinte às prisões, conduziu coercitivamente dois dos três vereadores que permaneceram na Câmara para prestarem esclarecimentos à PF, mas foram liberados no mesmo dia.

Continua após a publicidade

Operação Pecúlio

A 1ª fase da Operação Pecúlio foi deflagrada em abril de 2016 com o objetivo de desarticular um esquema de corrupção em contratos para realização de obras junto à prefeitura com recursos públicos federais. O então prefeito de Foz do Iguaçu, Reni Pereira (PSB), também foi preso, junto com empresários, secretários e servidores municipais na 4ª fase da operação.

Atualmente, Pereira cumpre prisão domiciliar com uso de tornozeleira eletrônica. Com o fim do mandato, o ex-prefeito de Foz do Iguaçu perdeu o foro privilegiado e será julgado pela 3ª Vara Criminal Federal. O processo, enquanto Pereira ocupava o cargo, estava com o Tribunal Regional Eleitoral da 4ª região (TRE-4).

Veja o vídeo da posse sob protesto:

 

Publicidade