Clique e assine a partir de 9,90/mês

Enzzo, 8 anos: quem é o ‘mini-Moro’ de Santa Catarina?

Site de VEJA conversou com a mãe do garoto que se vestiu como o magistrado para estudar

Por Rafaela Lara - Atualizado em 31 out 2016, 15h14 - Publicado em 31 out 2016, 13h07

Um post publicado na página do Facebook administrada pela mulher do juiz federal Sergio Moro, Rosângela Moro, neste domingo, mostra um menino estudando de terno e gravata porque quer ser “igual ao magistrado”. A publicação, que teve mais de 800 compartilhamentos até a manhã desta segunda-feira, foi feita pela mãe do garoto em um comentário sobre outro post da página.

A mãe do ‘mini-Moro’, Beatriz Cespedes, 42 anos, contou que ficou emocionada ao perceber o destaque que seu filho Enzzo, 8 anos, ganhou após a publicação. “Confesso que fiquei emocionada quando vi o post. Comentei essa foto num post com o vídeo do Moro, mas não imaginava que fosse ganhar essa repercussão.” A família mora na cidade de Blumenau, em Santa Catarina, e acompanha a política e a Lava Jato diariamente por meio do noticiário.

Sobre a atitude do filho, Beatriz conta que se surpreendeu. “Ele tinha uma prova no dia, aí o chamei para estudar e percebi que estava demorando muito. Quando apareceu, estava de terno e gravata. Eu me surpreendi e disse: ‘Para que terno e gravata para estudar, Enzzo?’ Ele respondeu: ‘Porque eu quero ser igual ao Sergio Moro, mãe’. Só consegui pensar na hora: ‘Que Deus te abençoe e você consiga atingir os seus objetivos, meu filho.'”

LEIA TAMBÉM:
Moro cita Roosevelt em vídeo caseiro postado pela mulher

A mãe conta que Enzzo sempre presta atenção nos comentários que a família faz sobre política e quando não entende o que está acontecendo pergunta para os pais. “Sempre me preocupei em explicar a política e por que tantos políticos estão sendo presos. Ele sempre presta atenção. A avó dele também acompanha a política assiduamente e, como ele fica com ela na parte da tarde, acabou vendo e se interessando pela figura do juiz Moro”.

Continua após a publicidade

Segundo a mãe, o menino já fala sobre qual profissão deseja seguir. “Ele ainda é muito pequeno, mas às vezes diz que quer ser como o pai, que é engenheiro. Já outras, diz que quer ser da polícia federal,  juiz, mas aqui em casa, a prioridade agora é ser criança, então ele anda de bicicleta, brinca de carrinho, joga bola na rua como toda criança.”, afirma.

Beatriz, que é empresária, conta que sempre incentiva os estudos do filho, que está no 3º ano do ensino fundamental. “Ele é um pouco preguiçoso, como toda criança, mas nunca recebi nenhum tipo de reclamação da escola. Isso com certeza é fruto da educação que damos a ele dentro de casa”.

Publicidade