Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Em livro, ex-delegado da PF mostra retrocesso ambiental dos anos Bolsonaro

Colunista de VEJA, Jorge Pontes narra em 'Guerreiros da Natureza' a atuação da PF na proteção a riquezas como as da Amazônia

Por Tulio Kruse
24 jul 2022, 08h00

Em dezembro de 2020, o delegado Alexandre Saraiva, então superintendente da PF no Amazonas, comandou o trabalho que resultou na apreensão de 43 000 toras, a maior da história do país. Quatro meses depois, após o então ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, ter defendido os madeireiros e criticado a ação policial, Saraiva foi exonerado do cargo e transferido para Volta Redonda (RJ). Outro delegado, Franco Perazzoni, chefiou em maio de 2021 a Operação Akuanduba, que fez busca e apreensão contra Salles e o seu ministério dentro de investigação sobre um esquema ilegal de extração de madeira na Amazônia. O episódio levaria à queda do ministro, mas Perazzoni também perdeu o cargo de chefe da Delegacia de Repressão a Corrupção e Crimes Financeiros da PF no Distrito Federal.

Guerreiros da Natureza, de Jorge Pontes; Editora Mapalab; 166 páginas -
Guerreiros da Natureza, de Jorge Pontes; Editora Mapalab; 166 páginas – (//Reprodução)

Os dois delegados são parte de uma geração que abraçou a investigação ambiental na PF, começando pelo cerco à biopirataria (um dos casos exemplares da equipe especializada envolveu o roubo de aranhas venenosas que eram comercializadas na Suíça). Com o passar do tempo, os alvos mais graúdos tornaram-se garimpeiros e madeireiros. A evolução do trabalho sofreu um revés durante o governo de Jair Bolsonaro, como mostram os casos dos delegados Saraiva e Perazzoni, com consequências cada vez mais desastrosas para biomas como a Amazônia, conforme conta o delegado aposentado Jorge Pontes, colunista do site de VEJA, no livro Guerreiros da Natureza, que será lançado no próximo mês. No prefácio da obra, o jornalista Fernando Gabeira destaca a história do despertar da consciência ambiental na PF e do esforço para construir uma estrutura de combate à destruição da natureza. O autor Pontes fala com conhecimento de causa, pois coube a ele a tarefa de criar na PF a Divisão de Meio Ambiente e Patrimônio Histórico (DMAPH). Apesar do atual ambiente político ruim para a missão do departamento, Pontes não perdeu a esperança por dias melhores. “Mesmo que a PF esteja sendo sufocada neste governo, o esforço na criação da DMAPH fez algo bem mais importante do que inaugurar salas e prédios: criou uma cultura de autonomia, uma consciência ambiental para uma geração de delegados”, afirma.

LEGADO - Pontes: a ideia serviu para influenciar uma geração de policiais -
LEGADO - Pontes: a ideia serviu para influenciar uma geração de policiais – (Reprodução/Instagram)

Até a criação da DMAPH, em 2001, a atuação da PF em casos do tipo era mínima, na maioria das vezes a reboque do Ibama. Nas décadas seguintes houve um lento e constante processo de aprendizado, que o autor descreve em minúcias. Essa área cresceu, passou a colaborar com agências internacionais e se tornou referência dentro da corporação. De lá para cá, a dinâmica do crime ambiental ficou ainda mais complexa, com técnicas sofisticadas para ocultar infrações e ligação cada vez maior com redes de narcotraficantes, tudo embaralhado à deterioração econômico-social da região. Quando o então ministro Ricardo Salles e o Ministério do Meio Ambiente foram alvos de busca e apreensão pela PF em maio de 2021, já nas últimas semanas de sua gestão, Pontes teve a certeza de que o trabalho dos delegados especializados na repressão de crimes contra o meio ambiente finalmente fechava o cerco a um membro do primeiro escalão do governo. Mas as forças econômicas e políticas que agem a favor da ilegalidade mostraram depois que, a despeito dos avanços, a missão está longe de terminar.

Publicado em VEJA de 27 de julho de 2022, edição nº 2799

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.