Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

“É uma grande trapaça da sorte”, diz colega de Teori no STF

Luís Roberto Barroso lamenta tragédia aérea que matou o relator dos processos da Operação Lava-Jato na Suprema Corte. Procurador-geral também se manifestou

Por Da Redação Atualizado em 19 jan 2017, 19h22 - Publicado em 19 jan 2017, 18h57

Colega de Teori Zavascki no Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso lamentou a morte do ministro. “A família perde um grande pai, eu perco um grande amigo, o Supremo perde um grande ministro e o país perde um grande homem. Essa é verdadeiramente uma grande trapaça da sorte. Não há palavras para descrever o desalento que sinto neste momento”, disse Barroso, que está em uma temporada de estudos em Harvard, nos Estados Unidos.

Teori Zavascki, 68 anos, era relator dos processos da Operação Lava-Jato no STF. Ele morreu nesta quinta-feira na queda de um avião  em Paraty, litoral do Rio de Janeiro. A morte foi confirmada pelo filho do magistrado, Francisco Zavascki.

[soundcloud url=”https://api.soundcloud.com/tracks/303537587″ params=”color=ff5500&auto_play=false&hide_related=false&show_comments=true&show_user=true&show_reposts=false” width=”100%” height=”166″ iframe=”true” /]

Em nota, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também lamentou a tragédia. “É inegável e inquestionável a grande contribuição que o ministro Teori Zavascki deu ao Estado democrático de direito brasileiro a partir de sua atuação como magistrado.”

Continua após a publicidade

Tão logo surgiram as primeiras notícias sobre a tragédia, a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, telefonou para o presidente Michel Temer em busca de ajuda para confirmar se o magistrado estava ou não a bordo da aeronave. Ela estava chegando a Belo Horizonte para visitar o pai, que está doente. Com a confirmação da morte do colega, a ministra decidiu voltar a Brasília.

O avião King Air prefixo PR-SOM que levava o ministro saiu do aeroporto Campo de Marte, em São Paulo, às 13h (horário de Brasília), com destino ao aeroporto de Paraty. Chovia bastante na região no momento do acidente. O Corpo de Bombeiros foi acionado às 14h15. Uma equipe de mergulhadores e o grupamento marítimo foram destacados para fazer as buscas.

Fabricada em 2006, a aeronave pertencia ao Grupo Emiliano, dono de hoteis de luxo em São Paulo e no Rio de Janeiro. O grupo ainda não ainda não se pronunciou sobre o acidente. O bimotor tinha capacidade para carregar oito pessoas. Seus certificados de vistoria estavam válidos até 2022.
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.