Clique e assine com até 92% de desconto

Duas pessoas morrem em queda de helicóptero no Rio

Por Da Redação 11 set 2011, 18h37

Por Fábio Grellet

Rio – Um helicóptero caiu em uma área de mata fechada na Floresta da Tijuca, na zona norte da capital fluminense, causando a morte de seus dois ocupantes, por volta das 20h30 de ontem. A aeronave, de prefixo PPRCEC, era um modelo Robson 44, da empresa Nat Aero Táxi, e havia decolado do Aeroporto Santos Dumont, no Centro, em direção ao Aeroporto de Jacarepaguá, na zona oeste. Ainda não se sabe a causa do acidente, que está sendo investigado pelo 3º Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa).

O helicóptero era pilotado por Erick Ramiro Freitas, de 25 anos, filho de Elzo Padilha Freitas, dono da Nat Aero Táxi e da Nacional Escola de Pilotagem, de Jacarepaguá (zona oeste do Rio). Segundo a Aeronáutica, ele era considerado experiente e contava mais de cinco mil horas de voo. Freitas estava acompanhado pelo fotógrafo Adamastor Sobrosa Filho, de 54 anos, conhecido como Thor. Eles sobrevoaram a cidade para que Thor produzisse fotos aéreas do Rio.

A aeronave caiu em uma área de mata conhecida como Vale do Encantado, próximo à estrada da Paz, no Alto da Boa Vista. Moradores das imediações informaram aos bombeiros que o helicóptero caiu girando, provavelmente em pane. Ele bateu em uma árvore e se partiu em três pedaços. Havia um denso nevoeiro no momento do acidente. A procura pelos corpos, realizada por 20 bombeiros, começou por volta das 2 horas. As duas vítimas foram resgatadas sem vida nesta manhã e levadas ao Instituto Médico Legal.

O último acidente de helicóptero registrado no Estado do Rio ocorreu em 19 de agosto na Bacia de Campos. Uma aeronave a serviço da Petrobras caiu no mar depois que o piloto informou a funcionários do aeroporto de Macaé, no norte fluminense, que precisaria fazer um pouso de emergência. Quatro pessoas morreram. Em 20 de janeiro, cinco pessoas ficaram feridas na queda de outro helicóptero em Nova Friburgo. A aeronave, do Exército, tinha acabado de fazer uma operação de reconhecimento de áreas ainda isoladas pelos temporais daquele mês quando caiu sobre o Mercado Produtor da Região Serrana. O helicóptero tombou e as hélices partiram.

Continua após a publicidade
Publicidade