Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Documentos apontam que ex-diretor da CPTM recebeu 800 mil euros na Suíça

Informações foram enviadas pelo governo suíço e anexadas ao inquérito do caso Alstom, que investiga denúncia de pagamento de propina

Por Da Redação 14 out 2013, 19h11

Documentos enviados pela Suíça às autoridades brasileiras apontam que um ex-diretor da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) recebeu 800 000 euros em conta em um banco daquele país.

O dinheiro foi depositado entre 1997 e 1998, segundo indicam os extratos bancários agora anexados ao inquérito do caso Alstom – multinacional francesa que teria integrado um cartel, na época, para obtenção de contratos milionários nas áreas de energia e transportes públicos do estado.

Leia também:

Alstom pagou US$ 20 mi de propina no Brasil, diz Suíça

Siemens e Alstom: por que elas brigam tanto?

Continua após a publicidade

Parte dos arquivos encaminhados às autoridades brasileiras está em posse de procuradores e promotores do Ministério Público, que investigam a denúncia feita pela Siemens, de formação de cartel para vencer licitações em obras do Metrô e da CPTM. A suspeita é que o esquema funcionou entre 1998 e 2008.

Os documentos foram obtidos por integrantes do Ministério Público Estadual e do Ministério Público Federal a partir do Acordo de Cooperação Mútua Internacional (MLAT), que dispensa a expedição de carta rogatória entre os países. O tratado é responsável por agilizar a comunicação entre o Brasil e países que tenham informações sobre cidadãos brasileiros, que movimentam recursos ilícitos em paraísos fiscais.

Promotores e procuradores também procuraram o Ministério Público da Alemanha, onde a Siemens é investigada por formação de cartel. Além de Suíça e Alemanha, os integrantes do MPE e do MPF querem estender a investigação para outros países, onde teria transitado dinheiro de corrupção.

A CPTM informou que o governo do estado “é o maior interessado em esclarecer denúncias de formação de cartel por parte de empresas contra a população de São Paulo”.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade