Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Detida com quase R$ 2 mi, como delegada expulsou a mãe de Henry da cela

Acusada de envolvimento com a máfia do jogo do bicho, Adriana Belém alegou ser servidora da Polícia Civil para que Monique Medeiros fosse retirada do local

Por Adriana Cruz Atualizado em 2 jul 2022, 12h19 - Publicado em 1 jul 2022, 18h45

Detida com quase 2 milhões de reais em maio, a delegada Adriana Belém, acusada de envolvimento com a máfia do jogo do bicho, mostrou que tem voz no sistema penitenciário do Rio de Janeiro. Ela não aceitou dividir o xadrez com a mãe do menino Henry Borel, a professora Monique Medeiros, no Instituto Penal Santo Expedito, no Complexo de Gericinó, em Bangu, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Aos gritos, Adriana bradou que era policial civil e, por isso, não poderia ficar na mesma cela que Monique, que responde com o ex-namorado, o médico e vereador cassado Jairo Santos Souza Júnior, o Dr. Jairinho, pela morte do filho.

Monique ganhou a liberdade em abril, concedida pela juíza do 2º Tribunal do Júri, Elizabeth Machado Louro. Mas os desembargadores da 7ª Câmara Criminal, do Tribunal de Justiça, revogaram a prisão domiciliar e determinaram o retorno da professora à prisão sob o argumento de que ela, mesmo usando tornozeleira eletrônica, estava em local sigiloso, o que impedia a fiscalização do Ministério Público. O desembargador Joaquim Domingos de Almeida Neto lembrou ainda que a acusação a que Monique responde é por homicídio praticado com tortura, havendo, no caso, violência extremada, sendo um crime hediondo.

Para ficar longe da mãe de Henry, Adriana Belém alegou que a sua cela é “classificada como de Estado-Maior, portanto só pode ser ocupada por agentes de segurança pública”. A gritaria de Adriana surtiu efeito. Agentes da Secretaria de Administração Penitenciária fizeram a transferência de Monique para outro xadrez, dessa vez ocupado por mais nove internas. Segundo o órgão, a mãe de Henry só foi colocada na cela de Adriana temporariamente para que fosse decidida sua estada final. Nesta sexta-feira, 1º, o Superior Tribunal de Justiça negou pedido de liberdade feito pela defesa da delegada.

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)