Destruição de fachada do STF por caça não deixa feridos

Por Da Redação - 1 jul 2012, 17h35

Por Equipe AE

Brasília – A fachada do prédio do Supremo Tribunal Federal (STF), inteiramente de vidro, foi destruída na manhã deste domingo quando dois caças Mirage 2000 fizeram um sobrevoo rasante sobre a Praça dos Três Poderes, em Brasília. Não houve feridos. A manobra era parte da cerimônia de troca da Bandeira Nacional, que ocorre periodicamente e desta vez foi realizada pela Aeronáutica.

A onda de choque provocada pela passagem das aeronaves arrebentou os vidros da fachada, de parte das laterais e dos fundos do prédio. Alarmes de carros dispararam e algumas crianças começaram a chorar, assustadas com o forte barulho. Também houve rachaduras em vidros do Congresso Nacional. O Palácio do Planalto escapou ileso.

As famílias que aproveitaram a manhã ensolarada para assistir à cerimônia e aguardavam a apresentação da Esquadrilha da Fumaça encontravam-se a uma distância segura do prédio do STF. Também não houve consequências mais sérias porque coincidentemente neste domingo não estava em funcionamento o serviço de visitas guiadas ao prédio. A entrada dos visitantes é pela Praça dos Três Poderes, justamente a área mais danificada. Minutos após o incidente, uma viatura do Corpo de Bombeiros isolou o local.

Publicidade

“O Comando da Aeronáutica já iniciou a apuração das circunstâncias do fato e irá ressarcir os prejuízos decorrentes”, informou a Aeronáutica em nota.

O comandante da Aeronáutica tenente-brigadeiro-do-ar Juniti Saito telefonou para o presidente do STF, Carlos Ayres Britto, para informar o ocorrido. O Supremo classifica o episódio como um acidente.

O gabinete da presidência do Tribunal, no terceiro andar do prédio, teve as janelas todas quebradas e deverá ser interditado, segundo informou o diretor-geral, Amarildo Vieira de Oliveira. Isso não deverá trazer transtornos, pois a corte está em recesso.

As equipes técnicas estimam em duas semanas o período necessário para concluir os reparos. Já no domingo brigadistas foram chamados para retirar os pedaços de vidro que ficaram presos às janelas e que poderiam cair com o vento.

Publicidade