Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Desmoralizado na gestão Bolsonaro, o Ibama mostra força renovada

O órgão abre várias frentes de luta contra ilegalidades em regiões como a Amazônia

Por Victoria Bechara
15 abr 2023, 08h00

A reestreia oficial foi anunciada no dia 6 de fevereiro, com pompa e circunstância, nas redes sociais do Ministério do Meio Ambiente, através de um vídeo que mostrava um helicóptero se aproximando da Terra Indígena Yanomami durante a crise humanitária que se abateu sobre os povos da região. “O Ibama voltou”, celebrava a pasta da ministra Marina Silva. E voltou mesmo. Em pouco mais de dois meses de operação na área, o órgão, com a ajuda de forças de segurança, desmontou 285 acampamentos de garimpeiros, tomou ou destruiu oito aeronaves, 23 barcos e três tratores e apreendeu 22 toneladas de cassiterita, um minério extraído irregularmente do local.

Esse ritmo de trabalho intenso vem se mantendo e já acumula desde o início do ano números relevantes: no período, o Ibama triplicou a quantidade de multas por desmatamento e dobrou a apreensão de bens e embargos de propriedades relacionadas a crimes ambientais (veja o quadro). Além disso, retomou o cerco contra a pesca e caça ilegais, o tráfico de animais e a criação de gado na Amazônia. Na última terça, 11, fez operação em oito estados que levou ao bloqueio recorde de 1,2 milhão de metros cúbicos de madeira e carvão extraídos ilegalmente e “esquentados” de forma fraudulenta. Agora, prepara ofensiva contra o garimpo em mais sete terras indígenas.

arte Ibama

A exibição de musculatura do maior órgão de fiscalização ambiental do país impressiona porque o cenário herdado do governo Jair Bolsonaro era de terra arrasada. O Ibama atua com apenas 300 fiscais em campo — já chegou a ter 2 000 — e com metade do quadro previsto de servidores. O efetivo já tinha sido reduzido antes de Bolsonaro, mas não houve concursos e muitos funcionários se aposentaram ou pediram para sair na gestão de Eduardo Bim, entre 2019 e 2023, quando relatos de perseguição e assédio eram frequentes. O Ibama tem 2 900 servidores e mais de 5 000 processos administrativos contra eles. “É muito difícil combater todas as ilegalidades tendo profissionais acuados e assustados”, diz Rodrigo Agostinho, um ex-estagiário do Ibama que fez carreira política (foi prefeito e deputado federal) e assumiu a presidência do órgão em fevereiro.

Uma de suas prioridades é recompor o quadro de funcionários. O Ibama enviou ao ministério um pedido para contratar 2 408 servidores, o que ainda não foi autorizado. A escassez de mão de obra é um dos fatores que impedem, por exemplo, a reabertura da base em Tabatinga, um ponto essencial de fiscalização na Amazônia, desativado em 2019. Sem isso, fica difícil combater pescadores, caçadores e garimpeiros nas terras indígenas do Vale do Javari, onde o indigenista Bruno Pereira e o jornalista Dom Phillips foram assassinados em 2022. “A gente não consegue ver melhora nenhuma, as invasões e os crimes ambientais continuam”, diz Orlando Possuelo, consultor da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja).

Continua após a publicidade

Outra herança dos anos Bolsonaro que está sendo desmontada é a falta de disposição para punir crimes ambientais. Uma das prioridades envolveu o esforço para reverter decisão da gestão anterior que mudou um entendimento administrativo e permitiu que 183 000 autuações, que somam 29 bilhões de reais, fossem consideradas inválidas ou prescritas. Em 21 de março, a Advocacia-Geral da União autorizou a cobrança. “Estamos com uma força-tarefa trabalhando para evitar a prescrição dessas multas. Não vamos conseguir salvar todas, mas a maior parte delas”, afirma Agostinho.

A volta do protagonismo do Ibama também o recoloca no centro de tensões políticas. No início de abril, o órgão irritou pecuaristas ao determinar a retirada de 500 000 cabeças de gado de áreas embargadas na Amazônia. Para Agostinho, o episódio não vai prejudicar a relação já complicada do governo Lula com o agronegócio (leia entrevista abaixo). Outra tensão no horizonte envolve a renovação da licença de Belo Monte, vencida desde o fim de 2021 — a usina é acusada de não cumprir as contrapartidas ambientais e de prejudicar as populações indígenas e ribeirinhas. Também pode haver problemas na discussão do aval à exploração de petróleo na foz do Rio Amazonas. O episódio pode gerar atritos no próprio governo, já que o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, é entusiasta do projeto, enquanto a ministra Marina Silva é contrária.

É fato que um Ibama combativo incomoda — e muito — alguns setores, mas a sua volta significa a retomada da política ambiental pré-Bolsonaro, que era essencial para conter a destruição de biomas como a Amazônia. Eventuais exageros sempre podem (e devem) ser contestados, mas o desleixo com a proteção ambiental não é bom nem para o país nem para o mundo.

SOB NOVA DIREÇÃO - Rodrigo Agostinho: “Seremos muito duros”
SOB NOVA DIREÇÃO - Rodrigo Agostinho: “Seremos muito duros” (Comunicação/Ibama/.)

“Não temos nada contra o agro”
Novo presidente do Ibama, Rodrigo Agostinho fala sobre os casos espinhosos que estão na mira do órgão.

O senhor não teme uma crise com o agronegócio ao retirar 500 000 cabeças de gado da Amazônia? Seremos muito duros para reduzir o desmatamento. A retirada é a exceção, quando os embargos são desrespeitados. A maior parte do agronegócio brasileiro quer estar dentro da lei. O Ibama não tem absolutamente nada contra o agro.

A licença de Belo Monte será renovada? O desafio é criar uma regra muito clara de quanta água pode ser utilizada pela usina e o quanto deve ser deixado para garantir a vida do Rio Xingu. A melhor posição é buscar um equilíbrio. Para isso, pode ser preciso reduzir a produção de energia em alguns momentos do ano.

O que acha de explorar petróleo na foz do Rio Amazonas? É muito complexo, vai demandar mais estudos. Não temos condição de dizer se vai prosperar. O Ibama está acostumado a licenciar petróleo, mas nesse caso há um olhar especial.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 19 de abril de 2023, edição nº 2837

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.