Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Deltan pediu hotel no Beach Park para dar palestra: ‘As crianças adoraram’

Procurador também comentou com Moro que não havia sofrido punição das corregedorias do MPF pelos seminários que fazia

Por Da redação - Atualizado em 16 jul 2019, 15h06 - Publicado em 16 jul 2019, 09h36

O procurador-chefe da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, pediu em julho de 2017 passagem e hospedagem no parque Beach Park, em Aquiraz, no Ceará, para ele e a família como condição para dar uma palestra sobre combate à corrupção, na Federação das Indústrias do Ceará (Fiec). Também cobrou um cachê de cerca de 30.000 reais. É o que mostram novos diálogos publicados na coluna da jornalista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo, em parceria com o site The Intercept Brasil, nesta terça-feira.

Ele falou sobre o convite com a mulher. “Posso pegar 20/7 e condicionar ao pagamento de hotel e de passagens para todos nós.”  Um mês depois, ele comentou sobre o assunto com o então juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça.”Eu pedi passagens para mim e família e estadia no Beach Park. As crianças adoraram”, disse Dallagnol. “Além disso, eles pagaram um valor significativo, perto de uns 30k (provavelmente, 30.000 reais). Fica para você avaliar.”

Na conversa, o procurador informou ainda a Moro que ele não sofrera nenhuma punição por parte das corregedorias do Ministério Público Federal pelas palestras que andava fazendo. “Não sei se você viu, mas as duas corregedorias arquivaram os questionamentos sobre minhas palestras dizendo que são plenamente regulares”, afirmou.

Também em parceria com o site The Intercept Brasil, reportagem de VEJA mostrou que Moro orientava ilegalmente ações da Lava Jato: fora dos autos, ele pediu à acusação que incluísse provas aos processos que chegariam depois às suas mãos, mandou acelerar ou retardar operações e fez pressão para que determinadas delações não andassem.

Publicidade

Além disso, revelam os diálogos, comportou-se como chefe do Ministério Público Federal, posição incompatível com a neutralidade exigida de um juiz. Moro nega qualquer irregularidade nos diálogos revelados e afirma que as mensagens obtidas pelo The Intercept Brasil a partir de uma fonte anônima são fruto de um ataque hacker.

Conheça os detalhes da história do procurador Deltan Dallagnol no podcast Funcionário da Semana:

Publicidade