Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Cunha lança braço-direito para disputar liderança do PMDB

Hugo Motta formalizou nesta quarta-feira sua candidatura. Ele será uma terceira via à disputa entre Picciani e Quintão

Por Da Redação 20 jan 2016, 18h31

Ex-presidente da CPI da Petrobras, o deputado Hugo Motta (PMDB-PB) anunciou nesta quarta-feira sua candidatura à liderança do PMDB. A iniciativa coloca em prática estratégia do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de minar a campanha do atual líder Leonardo Picciani (RJ), visto como um aliado do Planalto que, se eleito, pode ajudar o governo em um ano turbulento no Congresso.

A definição em torno do nome do deputado paraibano foi feita em reunião com Cunha e seus aliados mais próximos na tarde de terça. O objetivo seria lançar uma “terceira via” para disputar com Picciani e o candidato já posto Leonardo Quintão (PMDB-MG) e levar a eleição para o segundo turno.

A proximidade entre os dois é conhecida: Hugo Motta chegou à CPI da Petrobras por indicação de Eduardo Cunha – que, apesar de agora estar no centro da Lava Jato, nem sequer foi indiciado pela comissão de inquérito. O deputado também tem entrada livre no gabinete presidencial e, no Conselho de Ética, embora não seja membro, é presença garantida entre aqueles que trabalham para protelar o processo que pode levar o presidente da Câmara à cassação. Apesar disso, ao lançar a candidatura, ele tentou a todo momento se descolar do seu “padrinho”. “O Cunha é eleitor. Eu vou sim buscar o apoio dele, como o de todos os deputados”, desconversou.

Ao site de VEJA, Leonardo Picciani ironizou a tentativa de Motta de se descolar de Cunha.”No Rio tem um ditado que diz que ‘se tem olho de jacaré, rabo de jacaré e olho de jacaré, não pode ser elefante'”, afirmou. Picciani firmou que a nova candidatura não altera sua campanha e que continua com a expectativa de vencer logo no primeiro turno.

Hugo Motta criticou a influência do governo na eleição da bancada peemedebista. “O Planalto tem o direito de apoiar uma candidatura. Mas, na minha avaliação, se assim o fizer estará errado. Com isso, ele fecha portas para outras candidaturas que podem vir a vencer a eleição. Eu entendo que esses atores devem ficar fora do processo. Assim como não cabe à cúpula do meu partido participar diretamente da disputa, também não cabe ao governo interferir”, afirmou.

Em tom amistoso, porém, o peemedebista evitou entrar em rota de colisão com o Planalto: afirmou não ser um candidato da oposição, colocou-se contrário ao impeachment de Dilma Rousseff e disse que o PMDB precisa “dialogar sobre aumento de impostos” – a principal esperança da Fazenda para arrumar as contas.

O lançamento da candidatura de Motta a pouco menos de um mês da eleição, prevista para 17 de fevereiro, representa apenas mais um capítulo das divergências no PMDB. Cunha, no fim do ano, chancelou a derrubada de Picciani, que em passado recente foi seu aliado, e apoiou a campanha de Quintão. O deputado mineiro permaneceu por apenas uma semana no posto, que voltou a ser ocupado por Picciani. Seria natural que Cunha mantivesse o apoio ao deputado mineiro neste ano, mas o mineiro acabou rifado por não ter, conforme peemedebistas, musculatura para brigar com o atual líder, apoiado pelo Planalto. Apoiadores de Quintão – e que também são próximos a Cunha – foram contra a terceira candidatura.

Continua após a publicidade
Publicidade