Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Contra Bolsonaro: delegados da PF anunciam greve e pedem saída de ministro

A decisão da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal é uma resposta ao presidente, que recuou na reestruturação das carreiras das polícias

Por Adriana Cruz Atualizado em 4 Maio 2022, 17h49 - Publicado em 4 Maio 2022, 12h03

Os delegados da Polícia Federal reagiram ao recuo do presidente Jair Bolsonaro (PL) de garantir a reestruturação das carreiras das polícias. A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) decidiu, em assembleia extraordinária, na terça-feira 3, por paralisações parciais e progressivas e aprovou ainda o pedido de renúncia do cargo do ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Gustavo Torres, delegado da PF. “Pelo desprestígio e desrespeitoso tratamento dado pelo presidente da República à Polícia Federal e ao próprio ministro”, diz trecho da nota da entidade.

Nos bastidores, Torres foi o responsável por costurar a Medida Provisória (MP) que nunca chegou às mãos dos delegados, mas que gerou a expectativa de que alavancaria pelo menos 20% de aumento para a categoria e permitiria ainda a análise de promoção a cada ano. Atualmente, são necessários 13 anos para um delegado chegar ao topo da carreira. Mas, quando a MP chegou ao Ministério da Economia, há um mês, caiu no limbo.

Na queda de braço com o governo, a associação anunciou ainda que delegados poderão entregar cargos de chefia e recusar convites para assumir novos postos. “É vergonhoso”, destaca outro trecho do documento. “O presidente usa as polícias como marketing no seu governo, mas não cumpre a promessa de campanha. Com a reforma da Previdência, todo mundo perdeu 6% do seu salário. Houve redução na questão da pensão por morte. Se não há violência, mesmo o caso tendo acontecido em serviço, é tratado como morte natural”, protesta Tania Prado, presidente da Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal.

Mesmo os delegados que decidiram entrar em rota de colisão com o presidente prometem que as paralisações serão feitas de forma a explicar à população a posição da categoria sem punir os cidadãos com a falta dos serviços.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)