Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Com saída de Sandrão, Suzane volta à cela das solteiras

Para reencontrar namorada, ela terá de pedir mudança para o regime semiaberto no Centro de Ressocialização Feminino de São José dos Campos

Suzane Von Richthofen ficou solitária na Penitenciária Feminina de Tremembé (SP) e terá de voltar às celas comuns, destinadas a solteiras. A mudança é motivada pela transferência de sua companheira na cadeia, Sandra Regina Ruiz Gomes, conhecida como Sandrão, para uma unidade de regime semiaberto, o Centro de Ressocialização Feminino de São José dos Campos (SP).

“Sandrão” recebeu a progressão de regime no último dia 12 de fevereiro e mudou de presídio nesta quarta-feira. A informação foi confirmada pela Secretaria de Administração Penitenciária (SAP).

Com a transferência da namorada, Suzane deixará a ala dos chamados “celões”, onde presas casadas cumprem pena juntas. Ela dividia uma cela neste setor com Sandrão e mais dez detentas. Suzane voltará para a área de convivência com outras presas, entre elas Elize Matsunaga, ex-affair de Sandrão, presa por matar, esquartejar e esconder o corpo do então marido, o empresário Marcos Kitano Matsunaga, um executivo da empresa Yoki.

Suzane poderá pedir novamente transferência para o semiaberto, em uma tentativa de continuar ao lado da mulher. Em agosto do ano passado, ela foi beneficiada com a progressão de regime, mas optou por ficar no sistema fechado até que novas vagas surgissem no semiaberto. Também alegou que se sentia “mais segura” no presídio onde já cumpria pena. Dois meses depois, ela casou-se com Sandrão.

Leia também:

Suzane Richthofen: ‘Não é fácil estar presa sem minha família’

Suzane sobre Sandrão: ‘Tenho planos de viver com ela fora da prisão’

De acordo com a SAP, com a progressão, Sandrão poderá sair durante o dia para trabalhar, mas terá de voltar para dormir na prisão. Ela também pode optar por trabalhar no próprio centro de ressocialização, que oferece atividades profissionais para as presas. Antes disso, porém, ela terá de passar pelo regime de observação, durante o qual será avaliada para saber se pode mesmo conviver no semiaberto.

A companheira de Suzane cumpre pena de 24 anos por sequestro seguido de morte. Richthofen pegou 39 anos por ter matado os pais – e já cumpriu doze anos.

Sandrão retornou para a mesma unidade prisional de que foi expulsa, em 2010, por agredir um carcereiro. Ela já estava no semiaberto, mas voltou para o regime fechado como punição.

O Centro de Ressocialização de São José dos Campos, que recebia presas dos três tipos de regime, agora só recebe presas do semiaberto e há vaga para Suzane, caso ela peça a progressão. A unidade pode abrigar 183 presas, mas atualmente só tem 156 vagas ocupadas.

(Com Estadão Conteúdo)