Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Cetesb exige estudo de reparo de barragem que se rompeu no Paraíba do Sul

Barragem se rompeu no último dia 5 e deixou 600.000 habitantes das cidades de São José dos Campos e Pindamonhangaba sem abastecimento de água

Por Da Redação 12 fev 2016, 08h53

A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) informou nesta quinta-feira que vai exigir o estudo de estabilidade da barragem de mineração de areia que foi reconstruída em Jacareí (SP). No último dia 5, a barragem se rompeu por causa do depósito irregular de rejeitos e a lama atingiu o Rio Paraíba do Sul, deixando duas cidades sem o abastecimento de água.

Os serviços de reparo foram realizados pela empresa responsável pelo acidente, a Rolando Comércio de Areia Ltda. Para a aprovação desses serviços, que vai avaliar as condições em que foram feitos, o estudo será realizado pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).

Leia mais:

Barragem de rejeitos se rompe e afeta abastecimento no Vale do Paraíba

O acidente ocorreu pelo elevado volume de rejeitos depositados irregularmente em uma lagoa de propriedade de outra mineradora, a Meia Lua I, que passa pelo processo de renovação de licenciamento. Segundo a agência ambiental, controlada pelo governo do Estado, nas últimas inspeções realizadas nas mineradoras, em julho 2015 na Rolando Comércio de Areia Ltda., e em novembro 2015 na Mineração Meia Lua I Ltda., não foi constatada tal irregularidade.

Os impactos causados e as sanções administrativas estão sendo avaliados conforme a legislação vigente e serão divulgados na próxima semana, informou a Cetesb. Não foi possível quantificar o volume de águas residuárias que atingiu o Rio Paraíba do Sul em razão da variação da profundidade da lagoa.

O acidente deixou aproximadamente 660.000 habitantes das cidades de São José dos Campos e Pindamonhangaba sem água no feriado de Carnaval. O serviço de tratamento realizado pela Sabesp ficou comprometido por causa do alto índice de turbidez e a presença de alumínio e ferro. Não houve, contudo, prejuízos para a vida aquática local.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês