Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Câmara não usará laudo do STF sobre Genoino, diz Alves

Deputado rejeita influência da avaliação médica que descartou prisão domiciliar para o petista na decisão sobre o pedido de aposentadoria por invalidez

Por Da Redação 27 nov 2013, 02h12

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), afirmou nesta terça-feira que o laudo médico pedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a saúde de José Genoino não vai influenciar a decisão da Casa sobre o pedido de aposentadoria por invalidez do ex-presidente do PT.

Elaborado por médicos da Universidade de Brasília (UnB) a pedido de Joaquim Barbosa, o laudo divulgado nesta terça concluiu que Genoino não precisa permanecer em casa para cuidar de sua doença cardíaca. O resultado será usado pelo STF na avaliação do pedido de prisão domiciliar feito pela defesa do mensaleiro.

Leia mais:

Laudo conclui que Genoino não precisa de prisão domiciliar

Câmara atropela STF e faz perícia para aposentar Genoino

A Câmara, por sua vez, aguarda o relatório de outra junta médica. A avaliação paralela, requisitada pelos deputados sem o aval do Supremo, deve ficar pronta nesta quarta-feira. Questionado sobre a influência do laudo do STF na decisão da Câmara, Henrique Eduardo Alves respondeu: “Não, não. O que sei é que a junta médica que esteve hoje com ele fez o exame clínico, recolheu uma série de exames, em grande quantidade, muitos processos, muitos papeis e realizados no hospital.”

Caso seja concluído nesta quarta, o resultado do laudo será apresentado em uma coletiva de imprensa. “Não estou com pressa, estou pedindo qualidade e responsabilidade nesta decisão que diz respeito a vida de uma pessoa”, afirmou Alves.

Quadro de saúde – Hipertenso há três décadas, Genoino foi levado para o Instituto de Cardiologia do Distrito Federal na última quinta-feira após ter passado mal no Complexo da Papuda, onde cumpre pena em regime semiaberto, pelo crime de corrupção ativa. Há poucos meses, ele se submeteu a uma cirurgia para corrigir uma dissecção na aorta. Caso obtenha a aposentadoria por invalidez, o petista se livrará do processo de cassação do mandato e terá assegurado salário vitalício de deputado – atualmente no valor de 26 700 reais.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade