Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

CAE cancela reunião por falta de quórum

Por Da Redação 14 fev 2012, 11h21

Por Ricardo Brito

Brasília – A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado cancelou a reunião prevista para esta manhã para votar os requerimentos de convite ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, e ao ex-presidente da Casa da Moeda Luiz Felipe Denucci. Após esperar mais de uma hora e dez minutos pela chegada dos senadores para abrir a sessão, o presidente da CAE, Delcídio Amaral (PT-MS), encerrou os trabalhos, remarcando novo encontro para tratar do assunto para o dia 28, na semana após o Carnaval.

A reunião da CAE desta manhã foi esvaziada porque havia sido marcado para começar no mesmo horário, às 10 horas, o encontro do Conselho Político do governo. O colegiado reúne os líderes e presidentes dos partidos da base aliada com a presidente Dilma Rousseff.

Também por falta de quórum, a comissão não votou a indicação do atual superintendente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) Roberto Tadeu Antunes Fernandes para ocupar um cargo na diretoria da autarquia.

Não foi sequer preciso a base aliada usar sua vantagem numérica na comissão para derrubar o requerimento solicitando a ida de Mantega e Denucci ao Senado. Os governistas contam com 80% das cadeiras do colegiado.

Delcídio Amaral até avisou aos poucos senadores presentes que iria esperar o fim da reunião do conselho, no Palácio do Planalto, para abrir os trabalhos. Mas, dado o adiantado da hora, preferiu cancelar o encontro. Ao final, apenas 11 senadores compareceram – era necessário mais três integrantes da comissão para começar a reunião da CAE.

Denucci foi demitido no final de janeiro sob suspeita de ter recebido propina de fornecedores da Casa da Moeda. Reportagem do jornal Folha de S.Paulo denunciou que o presidente da instituição tinha aberto offshores em paraísos fiscais e movimentado R$ 25 milhões.

Mantega admitiu ter sido avisado, em 2010, que Denucci teve um problema em 2001 com a Receita Federal, mas afirmou não ter visto motivo para demissão, naquela ocasião. O ministro da Fazenda também é questionado sobre o motivo que o levou a aceitar a indicação do PTB para abrigar Denucci em um cargo eminentemente técnico.

No último domingo, o jornal O Estado de S.Paulo apontou que o arco de apoios políticos que sustentavam Denucci no cargo ia além do PTB: o ex-presidente Lula, o presidente do PP, senador Francisco Dornelles (RJ), o ex-ministro Delfim Netto e o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) José Múcio Monteiro.

Continua após a publicidade

Publicidade