Clique e assine a partir de 9,90/mês

Bolsonaro: de acusado de terrorismo a fenômeno da internet

O deserto político é tão devastador que até o deputado Jair Bolsonaro, antes mero peão da direita baixo clero, é estrela da internet e saudado como 'mito’

Por Thaís Oyama - Atualizado em 10 Dec 2018, 10h44 - Publicado em 18 Feb 2017, 08h00

“Mito, mito, mito!”, gritam em coro cerca de 1 000 pessoas assim que o deputado Jair Bolsonaro desponta no saguão do aeroporto de Campina Grande, na Paraíba. Ele ergue os braços. As palmas aumentam: “Um, dois, três, quatro, cinco mil, queremos Bolsonaro presidente do Brasil!”. Abraçado, apalpado, fotografado, beijado e empurrado, o capitão da reserva do Exército, já sem conseguir pôr os pés no chão, vai sendo arrastado pela multidão até o estacionamento do aeroporto. Lá, erguido e carregado nos ombros, termina em cima de um carro de som, microfone na mão. Camisetas visíveis na plateia indicam a presença de alguns grupos: Direita Paraíba, Direita Ceará, Ordem dos Conservadores, Academia de Krav Magá de Campina Grande. Jovens compõem a maioria do público. Muitos são estudantes universitários. Acenam para o visitante e levantam cartazes com os dizeres “Bolsonaro 2018”. Alguns batem continência para o deputado-capitão.

De pé no capô do carro, Jair Bolsonaro (PSC-RJ) lança seus gritos de guerra. Abre com refrões patrióticos: “Este é um brasileiro com o coração verde e amarelo. Se estou aqui é porque acredito no Brasil!”. Ovações. Critica o Estatuto do Desarmamento, elogia os militares e encerra a fala com seu bordão: “Brasil acima de tudo! Deus acima de todos”. Palmas, gritos, pedidos de selfie (ele atende a todos). Cenas como a do aeroporto se repetirão ao longo de todo o dia. Bolsonaro cresceu no vácuo deixado por políticos tradicionais tragados pela Lava-Jato ou simplesmente vitimados pela desmoralização crescente e aparentemente sem fim da categoria. É nesse deserto político que até um aventureiro como ele consegue se destacar.

Reportagem de VEJA mostra como ele foi catapultado à política – ironicamente, por uma acusação de terrorismo, em 1987 – e a transformação de um mero peão do baixo clero na Câmara em estrela da internet. VEJA também pediu a Bolsonaro que comentasse as próprias palavras e declarações atribuídas a ele. Confira no vídeo abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=cW9DLX5sk6w

Continua após a publicidade

Com reportagem de Marcela Mattos

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Publicidade