Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ato contra passagens tem críticas a Alckmin e Doria e vandalismo

Youtuber ligado ao MBL é agredido, bancos têm vidros quebrados e loja da Osklen é pichada; PM não faz estimativa, mas organização fala em 1500 manifestantes

Por João Pedroso de Campos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 13 jan 2017, 07h10 - Publicado em 12 jan 2017, 21h18

Movimentos contrários ao aumento do preço da integração entre metro e ônibus em São Paulo e da tarifa da Empresa Municipal de Transportes Urbanos (EMTU) fizeram um protesto nesta quinta-feira que teve críticas ao prefeito João Doria (PSDB) e ao governador Geraldo Alckmin (PSDB), agressão e vandalismo em loja e agências bancárias.

O Movimento Passe Livre (MPL), que organizou o ato, planejava ir até a casa do prefeito, no Jardim Europa, e lá entregar simbolicamente o prêmio “aumento inovador”, mas não conseguiu. Doria prometeu – e cumpriu – congelar o preço das passagens, mas, em parceria com Alckmin, elevou o preço da integração entre metro e ônibus.

Por meio de uma liminar, o Tribunal de Justiça de São Paulo suspendeu tanto o reajuste da integração entre metrô e ônibus quanto o aumento das passagens da EMTU, que faz a ligação de ônibus entre as cidades da Grande São Paulo.

O protesto, que reuniu cerca de 1500 pessoas segundo os organizadores – a Polícia Militar não fez estimativa -, começou no final da tarde na Praça do Ciclista, na Avenida Paulista, e terminou oficialmente por volta as 20h30, na praça Nossa Senhora do Brasil, no Jardim Paulista, a cerca de 1,5 quilometro da casa de Doria. Os organizadores do ato entregaram ao tenente coronel Cangerana, comandante do policiamento, o troféu aumento inovador”.

O MPL anunciou para a próxima quinta-feira um novo protesto contra os reajustes do transporte coletivo. Desta vez, o ponto de partida será na Estação da Luz, às 17h.

Continua após a publicidade

Violência

Na Avenida Brasil, aconteceu o primeiro tumulto, quando manifestantes reconheceram e hostilizaram o youtuber Arthur Moledo do Val, do canal “Mamãe, Falei”, ligado ao Movimento Brasil Livre (MBL). Ele foi empurrado por alguns manifestantes, que tentaram socá-lo e depois correram atrás dele. A polícia separou a confusão e escoltou o youtuber para longe do protesto.

Após o fim do protesto, manifestantes quebraram os vidros de ao menos duas agências bancárias – do Santander Select e do Banco do Brasil. A loja da Osklen, na esquina das ruas Oscar Freire e Augusta, foi pichada com a inscrição “Doria ladrão, aumento não”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.