Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

98 cidades em situação de emergência no RS

Por Da Redação 30 nov 2009, 14h49

O número de cidades em situação de emergência por causa das fortes chuvas e ventanias que atingem o Rio Grande do Sul não para de subir. Neste segunda-feira, o total passou de 90 para 98 municípios. A região voltou a registrar temporais durante o dia.

Segundo a Defesa Civil do estado, quase 18.000 pessoas tiveram de abandonar suas casas. Desse total, 4,534 estão desabrigados, ou seja, passaram a depender de abrigos públicos. Outros 12.702 estão desalojados – hospedados em casa de parentes ou amigos.

Em Santo Cristo, no noroeste, a Defesa Civil do Estado constatou danos a 40 residências e pontes destruídas no interior do município. Miraguaí, no norte, teve quase 200 casas destelhadas.

O órgão informou ainda que, durante a madrugada, os ventos chegaram a 119 quilômetros por hora na cidade de São Borja. O mau tempo complica ainda o abastecimento de luz. Problemas técnicos ocorridos durante a madrugada interromperam o fornecimento de energia elétrica a cerca de 29.000 clientes dos municípios de Dom Pedrito, São Lourenço do Sul e Turuçu. Algumas linhas de transmissão foram danificadas e cerca de 60.000 imóveis estavam sem energia durante esta tarde em diferentes pontos do estado – atendidos pela AES Sul, Rio Grande Energia (RGE) e Companhia Estadual de Geração e Transmissão (CEEE).

Em Santana do Livramento, no sudeste do estado, a Defesa Civil municipal identificou 12 casas danificadas pelos ventos e várias árvores arrancadas. A distribuidora de energia AES Sul informou que 6.100 clientes estão sem luz no município.

A RGE informou que os municípios mais prejudicados em sua área de operação – onde há 30.000 clientes sem luz -, foram Santo Cristo, Três Passos e Crissiumal. Na área da AES Sul, 20.000 tiveram o serviço interrompido em São Borja, onde o vento derrubou três estruturas de uma linha de transmissão de 69.000 volts.

A Prefeitura de Porto Alegre informou que o volume de chuvas acumulado no bairro Jardim Botânico, na zona leste, onde opera uma estação do Instituto Nacional de Meteorologia, superou o recorde de 1986, com 293 milímetros em novembro. Em 1986, foram registrados 283,4 milímetros. A média deste período é de 104 milímetros.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade

Publicidade