Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
#VirouViral Por Coluna Como surgem e se espalham os assuntos mais comentados da internet

Macacos sabem mexer em telas touch screen?

Postado no YouTube (mas repercutiu, mesmo, no Facebook e no Twitter), vídeo mostra dois macacos – um adulto e o outro, filhote – usando um tablet

Por Da redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h53 - Publicado em 12 set 2016, 17h57

Postado no YouTube (mas repercutiu, mesmo, no Facebook e no Twitter), um vídeo de dois macacos – um adulto e o outro, filhote – mostra o mais velho usando com total segurança um tablet de tela touch screen, como se estivesse procurando um aplicativo de sua preferência para brincar com o dispositivo. O outro, mais novo, observa atentamente, o que poderia ser uma tentativa de aprender com seu companheiro primata.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=IaLYaaZ87Xc?feature=oembed&w=500&h=375%5D

No fim deste texto, confira uma explicação do motivo de não ser recomendado compartilhar memes do tipo, com animais silvestres. Por ora, fiquemos com os questionamentos:

Mas é possível macacos dominarem telas touch screen? Eles entendem o que a tecnologia faz?

Sim e sim. Nossos primos primatas são bem mais inteligentes do que espera o senso comum.

O Departamento de Psicologia da Universidade de Portsmouth, na Inglaterra, conduz um projeto específico para estudar a cognição de diferentes espécies de macacos. Para obter os resultados, a equipe usa telas de touch screen para que os animais em cativeiro escolham quais de suas expressões faciais se associam a determinados ruídos – da mesma maneira como humanos têm tons de voz e interjeições específicos para alegria ou tristeza. Quando eles participam e dão as respostas corretas, ganham um agrado em comida (o que ocorre na maioria das vezes).

Continua após a publicidade

Para os cientistas, a vantagem é entender como os animais se organizam socialmente e como se comunicam entre eles, o que diz muito também sobre a evolução humana. Além disso, trata-se de prova de que os macacos são capazes de selecionar e clicar em ícones específicos (como os de aplicativos) em um iPad.

O Zoológico de Lincoln Park, em Chicago, também emprega a tecnologia para entender melhor o que se passa na cabeça de seus moradores. No primeiro momento, o objetivo foi ver se os macacos participariam de um experimento – depende da vontade deles para entrarem na sala com os computadores e apertarem as telas. Depois, eles mostraram que compreenderam qual era a tarefa para ganhar a recompensa em comida: acertar a sequência de “cliques” três vezes, consecutivamente. Mais uma prova de quão habilidosos eles são. Confira:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=jzWnWChfBR4?feature=oembed&w=500&h=375%5D

Por fim, os pesquisadores de Portsmouth ainda descobriram que as telas touch screen ajudam os bichos a relaxar. Muito parecido com como é com humanos! Estudos indicam que os indivíduos dominantes dos grupos de macacos são os que deixam o bando para buscar por recompensas na sala de telas touch screen. Assim, os outros conseguem interagir melhor e se tornar mais amigáveis uns com os outros.

Agora, como se questiona no título deste post: por que não se recomenda compartilhar esse vídeo?

Apesar de ser um viral, digamos, engraçadinho, a bióloga e especialista em primatas Cecília Kierulff, sócia e fundadora do Instituto Pri-Matas, alerta para o fato de que a graça só funciona para quem está flanando pelo Facebook. “Ambos os macacos da imagem foram provavelmente comprados em um mercado ilegal na Ásia e o próprio vídeo incentiva o tráfico de fauna. Afinal, alguém acha ‘bonitinho’ e passa a querer ter o mesmo animal de qualquer maneira”, afirma Cecília. “A pose dos dois na gravação é claramente montada e o filhote deve estar quieto é de tanto cansaço. Inclusive, pela atitude deles, os dois podem estar sob efeito de medicação”, concluiu.

É comum, em especial no mercado negro asiático, o uso de vídeos desse estilo para propagandear a venda de espécies que não podem ser comercializadas, a exemplo das em risco de extinção.

Continua após a publicidade
Publicidade