Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
VEJA Recomenda Por Coluna Os principais lançamentos da música, do cinema, da literatura e da produção infanto-juvenil, além da TV, comentados pelo time de VEJA

Em nova remixagem, música de Elis Regina soa como se estivesse ao vivo

'Como Nossos Pais' foi recriada com a tecnologia Dolby Atmos, chamada no Brasil de Áudio Espacial, um novo padrão sonoro em 3D; e o resultado é um espanto

Por Felipe Branco Cruz Atualizado em 28 set 2021, 21h03 - Publicado em 28 set 2021, 16h07

Reza a lenda que nenhuma tecnologia existente até então havia conseguido causar o mesmo assombro que as pessoas sentiram ao ouvir Elis Regina (1945-1982) cantando ao vivo. A potência e a amplitude de sua voz, portanto, só seriam admiradas em sua plenitude nos palcos. Uma joia que jamais se repetiria.

Pois eis que a tecnologia finalmente chegou lá. Quarenta e cinco anos após o lançamento do clássico disco Falso Brilhante, sua faixa mais conhecida, Como Nossos Pais, clássico de Belchior imortalizado na voz da pequena notável, está sendo relançada pela Universal Music Brasil em um novíssimo formato imersivo, o Dolby Atmos, chamado no Brasil de Áudio Espacial, um novo padrão sonoro em 3D criado pela Dolby.

Convém dizer que a maioria das pessoas ainda não tem os equipamentos necessários para aproveitar a tecnologia, mas o novo formato foi capaz de revelar novas nuances na voz de Elis. Até o momento, o formato só poderá ser ouvido nas plataformas de streaming Apple Music e Tidal e, no futuro, também nas SmarTVs 3.0 e em alguns consoles de games e celulares. Além disso, é necessário ter caixas de som ou fones de ouvidos adequados – ou de nada adiantará apertar o play.

Ouça um trecho da música no novo formato:

“Tivemos o cuidado de não transformar a remixagem numa pirotecnia. Foi sutil, mas faz toda a diferença”, diz o diretor técnico da Dolby, Giovanni Asselta, em comunicado. Gravado há quase cinquenta anos, a música foi registrada originalmente em estéreo e com a nova remixagem, agora, pode ser ouvida em até doze caixas de sons diferentes. “Ainda aproveitamos para restaurar alguns artefatos sonoros que não pertenciam à gravação original, como pequenas distorções e chiados”, disse João Marcelo Bôscolli, produtor musical e filho da cantora.

O espetáculo Falso Brilhante, que deu origem ao álbum homônimo, foi apresentado entre os anos 1975 e 1977, com shows cinco vezes por semana no Teatro Bandeirantes, em São Paulo. A apresentação contava a história de vida e profissional da cantora por meio das músicas que ela interpretava. “O público vai sentir como se estivesse assistindo ao show, sentado num lugar privilegiado da plateia”, disse Bôscoli.

Continua após a publicidade
Publicidade