Clique e assine a partir de 8,90/mês
VEJA Gente Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

‘Silvio Santos não vai se aposentar’, diz filha Silvia Abravanel

Apresentadora chama pai de 'melhor amigo' e garante que família não conversa sobre sucessão no comando do SBT: 'Ele só vai parar quando fechar os olhos'

Por Meire Kusumoto - 28 jun 2017, 18h24

Segunda filha de Silvio Santos, chamada por isso de “filha número 2” pelo dono do SBT, Silvia Abravanel é uma das três herdeiras do apresentador que dão as caras na programação do canal. Ao lado dela, que comanda o infantil Bom Dia e Cia., estão Patricia, do Máquina da Fama, e Rebeca, que assumiu recentemente o Roda a Roda Jequiti. Qual delas deve ser a sucessora do pai ainda não se sabe — e Silvia garante que nem elas mesmas fazem previsões. “Isso não é tema de conversa na família. Vai acontecer naturalmente”, diz ao blog VEJA Gente. “Acho que ele (Silvio Santos) não se aposenta. Ele só vai parar quando fechar os olhos, vai ser o único ser humano do mundo que não vai se aposentar.”

Silvia, que chegou a apresentar por um curto período dois programas para adultos em 2004 no SBT, ficou por anos nos bastidores, como diretora e produtora de atrações da casa. Em julho de 2015, porém, no susto, ela precisou substituir os apresentadores mirins Matheus Ueta e Ana Júlia, que haviam sido impedidos pela Justiça de trabalhar no Bom Dia e Cia. Desde então, apresenta o matutino, conversando e dando prêmios a crianças que ligam para o programa e chamando desenhos animados como Bob Esponja e Kung Fu Panda. Começou com dificuldades e chegou a ser criticada por sua falta de desenvoltura na tarefa. “Demorei mais ou menos um ano para me acostumar, para me sentir acolhida. Pensei em desistir, porque as críticas são muito pesadas, a internet é muito cruel com a gente”, afirma.

Hoje, quase dois anos comandando a atração, diz que se sente confortável e que não gostaria de mudar para um programa para adultos. “Não penso em sair jamais. E eu entendo muito bem o universo deles”, diz, lembrando que ser mãe ajuda no trabalho. “Quem não é mãe, tia, irmã mais velha ou alguém mais próximo não entende bulhufas desse mundo, dos papos, do que eles gostam em termos de roupas, de filmes, de internet, de música.” Silvia tem duas filhas, Luana, de 19 anos, do relacionamento com Murilo Abbas, e Amanda, de 11, que teve com Felipe Coimbra. A apresentadora é casada desde 2013 com Edu Pedroso.

Silvia Abravanel, durante o Bom Dia e Cia do SBT.
Silvia Abravanel no estúdio onde é gravado o ‘Bom Dia e Cia.’ Antonio Milena/VEJA.com

Apesar de se dizer à vontade diante das câmeras, Silvia ainda não é bem aceita por todos. Nas redes sociais muitos continuam reclamando de seu desempenho e afirmando que ela só continua no comando do Bom Dia e Cia. porque é filha do dono da emissora. “Desde que eu comecei a trabalhar com o meu pai, tive que driblar esse preconceito. Mas fiz questão de começar de baixo e fui crescendo, cheguei onde estou pelas minhas próprias pernas. Ele me deu a faca e o queijo, sim, mas eu aprendi a fazer meu próprio sanduíche”, afirma.

A apresentadora também tem que aguentar as piadas e chamadas de atenção do pai, muitas vezes dadas em público: ao Pânico na Band, Silvio Santos disse que Patricia já nasceu com carisma, ao contrário de Silvia, que é “esforçada”.  A filha número 2 não se faz de rogada. “Se eu não tivesse carisma, não teria a audiência que tenho. No período em que estive doente, fora do programa, entre abril e maio, recebi muitas mensagens do público. Até eu fiquei impressionada, não sabia que era tão querida.”

Silvia Abravanel, durante o Bom Dia e Cia do SBT.
Silvia Abravanel apresenta brincadeira no ‘Bom Dia e Cia.’, do SBT Antonio Milena/VEJA.com

Ela garante que não se chateia com esse tipo de comentário e que Silvio Santos é seu melhor amigo “desde sempre”. “Ele me ensinou tudo o que eu sei, me educou, me deu diretrizes para a vida, me ensinou a amar, trabalhar. Toda vez que o calo aperta, é para ele que eu corro, é ele que me põe nos eixos. É o sim e o não da minha vida”, diz. “Cada filha ele criou de uma maneira e na minha criação ele foi rígido. Eu só agradeço. Ele me criou não para ser dondoca, me ensinou a valorizar o trabalho e o dinheiro.”

Sobre assuntos sensíveis, como o fato de a irmã Patricia ter sido citada na delação premiada de Ricardo Saud, executivo da J&F Investimentos, por causa de um jantar na casa de Joesley Batista ao qual ela foi junto com seu então noivo, o deputado federal Fábio Faria (PSD-RN), Silvia não fala. “Eu não falo sobre a vida dos outros. Eu só respondo sobre a Silvia, não sobre a Patrícia, Rebeca, Daniela, Renata, Cíntia”, diz. Sobre sua adoção por Silvio Santos e sua primeira esposa, Maria Aparecida Vieira Abravanel, também é sucinta: “Fui adotada com três dias de vida e é só o que eu sei, o resto da história eu não conheço”.

Continua após a publicidade
Publicidade