Clique e assine com até 92% de desconto
VEJA Gente Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

Sandra Passarinho deixa a Globo após 50 anos na emissora

A profissional decidiu deixar o jornalismo diário

Por João Batista Jr. Atualizado em 20 dez 2019, 11h25 - Publicado em 20 dez 2019, 11h16

A jornalista Sandra Passarinho deixa a Globo nesta sexta-feira 20 após 50 anos de carreira dentro da emissora. A repórter foi convidada para ser estagiária na empresa em 1969, aos 19 anos, e foi a primeira correspondente da Globo na Europa. Logo quando chegou, Sandra foi apelidada de passarinho pelo cartunista Borjalo por ser pequena e rápida — e o apelido virou o seu nome profissional.

Em comunicado aos colegas da redação, o diretor de Jornalismo, Ali Kamel, prestou uma homenagem a Sandra. “Eu então quero agradecer à Sandra pela imensurável contribuição que ela deu ao jornalismo da Globo e ao jornalismo brasileiro. E por ter inspirado tantos e tantos profissionais. Entre eles eu, que sempre parei quando via uma reportagem dela no ar. Desde a década de 1970”, escreveu.

Sandra foi contratada para integrar a equipe de repórteres em 1970, um ano após ingressar na emissora como estagiária. Em 1974, pediram para que ela fosse imediatamente à Globo e, assim, veio a notícia: ela embarcaria para Portugal e seria a primeira correspondente da emissora na Europa, ao lado do cinegrafista Orlando Moreira.

Em uma trajetória de sucesso, Sandra fez grandes coberturas para a emissora. A jornalista deu uma pausa em sua carreira na Globo para trabalhar com outras emissoras internacionais e cursou a faculdade de Ciências Sociais na Polytechinic of Central London, que era o seu sonho desde o início. Ela voltou ao Brasil e retomou a sua carreira na emissora em 1985.

Desde então, integrou a equipe do Globo Repórter, foi editora-chefe do programa Espaço Aberto, da GloboNews, ganhou o primeiro Prêmio Emmy do jornalismo brasileiro ao lado da equipe que cobriu a ocupação do Complexo do Alemão e fez reportagens para o Jornal Nacional. “Afinal, não consta nos dicionários, mas bem poderia: Sandra Passarinho – sinônimo, REPÓRTER”, escreveu Ali Kamel.

“Sandra me procurou para dizer que decidiu deixar o jornalismo diário. Notem, não deixará o jornalismo, mas terá um outro ritmo. Um dos amigos que fez em Londres na Polytechnic of Central London a convidou para participar de um projeto pioneiro. E sem a necessidade de se mudar para Londres. Sandra está namorando a ideia de dar a sua colaboração num projeto digital, tudo ainda muito embrionário”, escreveu.

Continua após a publicidade
Publicidade