Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
VEJA Gente Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

O pedido de demissão de Dony de Nuccio: um pé em cada canoa

Um contrato com uma instituição financeira renderia 60 milhões de reais em três anos ao jornalista

Por João Batista Jr. Atualizado em 27 dez 2019, 10h13 - Publicado em 27 dez 2019, 06h00

Apresentador, ao lado de Sandra Annenberg, do Jornal Hoje e apontado como o sucessor de William Bonner no Jornal Nacional, Dony de Nuccio teve de pedir demissão da Globo após ter sido descoberto em um atalho ético: ele era dono de uma empresa de consultoria de comunicação e atuava como assessor de imprensa e de estratégia. Um contrato com uma instituição financeira lhe renderia 60 milhões de reais em três anos. Em um primeiro momento, Nuccio disse não se lembrar de nada — até aparecer um registro em que ele se dirigia aos profissionais da empresa que o contratara usando a expressão “nossos clientes”. A Globo prometeu fazer uma nova cartilha sobre as regras de atividades de seus jornalistas quando estão fora do ar, uma vez que sempre são muito cobiçados para palestras.

Publicado em VEJA de 1º de janeiro de 2020, edição nº 2667

Publicidade