Clique e assine a partir de 8,90/mês
VEJA Gente Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

O caminho de Ludmilla para sair do armário

Cantora tinha receio de sofrer preconceito de fãs e patrocinadores e de ser vista apenas como uma artista voltada para o público LGBTQ+

Por João Batista Jr. - Atualizado em 17 jul 2019, 17h10 - Publicado em 7 jun 2019, 07h00

Uma das mais populares cantoras do pop nacional, Ludmilla anunciou na semana passada seu romance com Brunna Gonçalves, dançarina de sua equipe. Trata-se de uma decisão importante, pensada com muita antecedência. Lud, como os amigos a conhecem, tinha receio de sofrer preconceito de fãs e patrocinadores. Também tinha medo de ser vista apenas como uma artista voltada para o público LGBTQ+. A aceitação, no entanto, foi geral. A cantora, de 24 anos, relaciona-se com mulheres há algum tempo, mas não falava abertamente sobre sua sexualidade nem mesmo com parentes. Há dois anos, ela trocou o primeiro beijo com Brunna, em meio a um romance de muitas idas e vindas. Amigos dizem que o hit Din Din Din, lançado em 2018, foi indireta para Brunna. Deu certo.

Publicado em VEJA de 12 de junho de 2019, edição nº 2638

Envie sua mensagem para a seção de cartas de VEJA
Qual a sua opinião sobre o tema deste artigo? Se deseja ter seu comentário publicado na edição semanal de VEJA, escreva para veja@abril.com.br
Publicidade