Clique e assine a partir de 9,90/mês
VEJA Gente Por João Batista Jr. Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

Delegada do caso Neymar x Najila fala de Vivi Guedes

"É cárcere privado, sim"

Por João Batista Jr. - Atualizado em 22 nov 2019, 10h09 - Publicado em 22 nov 2019, 06h00

Na reta final da novela A Dona do Pedaço, diversas cenas mostraram Vivi Guedes (Paolla Oliveira) submetida a tortura psicológica e impedida de sair de casa pelo marido, Camilo (Lee Taylor). Houve bastante barulho, e a discussão saltou da ficção para a realidade. Afinal, a postura de Camilo era criminosa? Muitas telespectadoras se identificaram com a situação e invadiram as redes sociais levantando o assunto. Para a paulista Juliana Bussacos, titular da 6ª Delegacia de Defesa da Mulher de São Paulo, que ganhou projeção no escandaloso episódio da acusação de estupro contra Neymar, trata-se, sim, de um típico caso de cárcere privado: “Tolher a liberdade da companheira é um crime que consta no Código Penal”, diz Juliana. A pena vai de dois a cinco anos de reclusão. “Fazemos cinquenta boletins de ocorrência por dia, a maior parte por ameaça, lesão e injúria, semelhantes às situações mostradas na novela”, afirma a policial.

Publicado em VEJA de 27 de novembro de 2019, edição nº 2662

Publicidade