Clique e assine a partir de 9,90/mês
VEJA Gente Por João Batista Jr. Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

Antes de cair, Regina Duarte pediu um CEO para a pasta da Cultura

A última bola fora da atriz na pasta da Cultura

Por João Batista Jr. - 20 maio 2020, 10h55

A agora ex-secretária de Cultura fez um pedido uma semana antes de cair do cargo: Regina Duarte queria um CEO para poder comandar a pasta enquanto atuaria como uma consultora geral, dando ideias e direcionamentos a serem tomados. A proposta não foi acatada, evidentemente. Dentro do núcleo duro do governo, Regina era vista como “fora da casinha”: sem experiência e clareza para entender a complexidade da gestão pública. Era criticada por achar que tudo era fácil e simples de resolver. De todo modo, a atriz ganhou um prêmio consolação: cuidar da Cinemateca, em São Paulo, localizada a 4 quilômetros de distância de sua casa.

Regina deixará Brasília com uma nova amiga de infância: Carla Zambelli. A deputada bolsonarista cuidou da atriz, fragilizada com os ataques. As duas se encontraram inúmeras vezes. Foi de Zambelli a articulação para Regina, que se diz uma “pessoa disposta a ajudar o Brasil”, para dar expediente na Cinemateca.

Publicidade