Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

Refém, uma prenda que ganhamos do árabe

Campo de exploração de gás em In Amenas, Argélia (Kjetil Alsvik/Statoil/AFP) A crise dos reféns num campo de exploração de gás na Argélia pôs em evidência uma palavra cujo registro mais antigo em português data de 1297 e que, por coincidência, nos remete diretamente ao árabe, um dos idiomas oficiais daquele país do Norte da […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 07h02 - Publicado em 19 jan 2013, 09h00

Campo de exploração de gás em In Amenas, Argélia (Kjetil Alsvik/Statoil/AFP)

A crise dos reféns num campo de exploração de gás na Argélia pôs em evidência uma palavra cujo registro mais antigo em português data de 1297 e que, por coincidência, nos remete diretamente ao árabe, um dos idiomas oficiais daquele país do Norte da África.

Parte da vasta herança vocabular deixada pela ocupação muçulmana da Península Ibérica, que se estendeu entre os séculos 8 e 15, o termo que deu origem ao substantivo refém – e também ao espanhol rehén – é, segundo consenso dos etimologistas, o árabe rihan, forma popular de rahn (“penhor, prenda, garantia”).

Refém tem duas acepções no Houaiss: “1. pessoa importante, cidade, praça de guerra etc. tomada ou entregue ao inimigo como garantia da execução de certas injunções, convenções, tratados etc.; 2. em situações extremas, aquele que fica, contra sua vontade, em poder de outrem, como garantia de que alguma coisa será feita”.

Embora soe um tanto cínico pensar no refém como uma espécie de hóspede, é no latim hospes (“hóspede, o que recebe hospitalidade”) que, segundo o Trésor de la Langue Française, o francês foi buscar seu termo otage (“refém”), matriz do inglês hostage e do italiano ostaggio.

Continua após a publicidade
Publicidade