Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

‘Muito boa tarde’, diz o apresentador de TV. Pode, Arnaldo?

Começo a republicar hoje os principais posts que ajudaram a fazer de 2014, disparado, o ano de maior leitura da história deste Sobre Palavras. Volto no dia 5 de janeiro. Obrigado a todos e boas festas! “Caro consultor Sérgio Rodrigues, diariamente o apresentador Evaristo Costa (foto), do jornal da tarde da TV Globo, quando se […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 02h25 - Publicado em 24 dez 2014, 10h00

Começo a republicar hoje os principais posts que ajudaram a fazer de 2014, disparado, o ano de maior leitura da história deste Sobre Palavras. Volto no dia 5 de janeiro. Obrigado a todos e boas festas!

evaristo costa

“Caro consultor Sérgio Rodrigues, diariamente o apresentador Evaristo Costa (foto), do jornal da tarde da TV Globo, quando se dirige aos repórteres, usa a seguinte expressão: ‘Muito boa-tarde para você’. Pergunto:

• O que exatamente ele está desejando: quantidade de boa-tarde?
• Neste caso não seria ‘muitas boas-tardes para você’?
• Boa-tarde não seria feminina, portanto não deveria ser ‘muita boa-tarde’?
• Está correto ele desejar aquela quantidade de ‘boa tarde’ exclusivamente para ‘você’, estando falando diante de outras pessoas?”

(Cláudio Teixeira)

Antes de esmiuçar as muitas dúvidas de Cláudio, convém deixar logo claro que não há nada errado com o cumprimento do referido apresentador de TV.

“Muito boa tarde para você” (sem hífen em “boa tarde”, como já veremos) é uma construção em que o advérbio “muito” intensifica o adjetivo “boa”, que por sua vez qualifica o substantivo “tarde”. Quem a emprega está desejando ao interlocutor “uma tarde muito boa”, só isso. Nada a ver com uma grande quantidade de tardes.

A intensificação adverbial do adjetivo é um processo comum, o mesmo que existe em “Temos muito pouco dinheiro”, por exemplo. Já tratei desse assunto aqui.

Continua após a publicidade

O equívoco de Cláudio começa na interpretação de “boa tarde” como palavra composta, “boa-tarde”, e não como um simples par de adjetivo e substantivo. Existe, sim, a palavra composta “boa-tarde” (e também “bom-dia” e “boa-noite”), mas ela é usada apenas quando se faz necessário substantivar a expressão.

Para trocar em miúdos: “boa-tarde” com hífen é um vocábulo que, precedido de artigo na maioria das vezes, reservamos para frases como esta: “Chegou contrariado e murmurou um boa-tarde seco”; “Criatura adorável, seus boas-tardes eram música para mim”. Sim, boa-tarde (como bom-dia e boa-noite) é substantivo masculino.

Quando cumprimentamos alguém, o que dizemos deve ser escrito sem hífen: “Boa tarde, fulano”.

Quanto à última pergunta, relativa ao “para você” – bem, também não há problema nisso. Mesmo que o apresentador se dirigisse aos telespectadores em geral, e não a um repórter específico, o tratamento pessoal e singular seria preferível ao amorfo e plural. Faz tempo que a comunicação de massa aprendeu não ter nada a ganhar deixando claro para o ouvinte que ele é só mais um na multidão.

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Às segundas, quartas e quintas-feiras o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br (favor escrever “Consultório” no campo de assunto).

*

Publicado em 30/10/2014.

Continua após a publicidade
Publicidade