Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Devemos pronunciar ‘gratÚito’ ou ‘gratuÍto’?

“Sei que é um assunto muito batido, mas, por favor, se diz ‘gratuíto’ ou ‘gratúito’? Obrigada.” (Lurdinha Ravazzi)

A questão trazida por Lurdinha jamais será “batida” o suficiente, pela razão simples de que discrepâncias de pronúncia dão pano para manga.

A pronúncia culta de “gratuito” é gratúito, com a tônica no u do ditongo ui. Sem discussão. Quem quiser ser visto como uma pessoa que se esmera em falar corretamente, seguindo a ortoépia, a pronúncia recomendada pelos sábios, não pode ter um segundo de dúvida quanto a isso. O mesmo vale para vocábulos como “fortuito”, “intuito”, “circuito” e “fluido”.

Ocorre que, quando tantos falantes, e não apenas no Brasil, insistem numa pronúncia diferente para tais palavras, transformando o ditongo em hiato e enfatizando o i, condená-los como simplesmente “errados”, sem tentar compreender o fenômeno linguístico que ocorre aí, seria fácil demais.

A prosódia é um campo cheio de armadilhas. Para não entrar no terreno das inevitáveis variações regionais, há casos em que aquilo que hoje é visto como desvio acabará por se impor como a nova norma – ou pelo menos como alternativa aceitável. Sobre isso vale a pena ler os casos, já abordados na coluna, de “subsídio” e “abrupto”.

Atenção: a tentativa de compreender linguisticamente o fenômeno do gratuíto não significa que eu recomende a pronúncia não tradicional. Longe disso: para ser assimilada na língua culta, ela teria que começar provocando uma alteração na grafia da palavra, com o acréscimo de um acento agudo sobre o i – alteração que não é necessária no caso da flutuação prosódica de “subsídio”, mas ocorre em “abrupto/ab-rupto”.

O Houaiss atribui “a pronúncia popular gratuíto” – “comum em alguns lugares do Brasil (especialmente São Paulo)”, acrescenta – à hipercorreção, ou seja, ao desejo do falante culturalmente inseguro de falar “bonito”, que o leva a julgar erradas formas corretas. Pode ser isso mesmo.

No entanto, o próprio Houaiss traz uma informação intrigante: a de que o influente dicionário etimológico de latim dos franceses Alfred Ernout e Alfred Meillet, cuja primeira edição apareceu em 1932, “corrigiu” a pronúncia dos originais latinos gratuitus e fortuitus para deslocar a tônica para o i.

Acrescenta o Houaiss que “a retificação (…) é relativamente recente, não havendo, por isso, podido alterar o padrão já consagrado” em português. Tudo bem, mas, como se vê, a guerra prosódica surda que alguns tentam abafar com um simples carimbo de “erro” vem de muito longe. O que, convenhamos, torna tudo bem mais interessante.

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Às segundas, quartas e quintas-feiras o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br (favor escrever “Consultório” no campo de assunto).

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Daniel Bueno

    Sérgio, tudo que conhecemos segue regras, disciplina. O universo é disciplinado. A família desregrada não evolui. A língua também. Ou vira um caos.
    Por isso, se pronuciamos circuito, fluido, intuito (ninguém diz intuíto), então digamos gratuito, e ponto final. Esse tal de ‘vale tudo’, que tem emergido de autores polêmicos, só atrapalha o processo epistemológico, o de ensino-aprendizagem por exemplo.
    Daniel, também me incomoda que certas análises linguísticas descambem para o vale-tudo, o que vejo como uma distorção populista. Releia o segundo parágrafo acima. Só não deixo que isso me cegue para o fato de que “regras” não são absolutas ou eternas, mas historicamente determinadas pelos falantes. Sem isso não se faz justiça à grandeza da língua, que vira só uma cartilha chata que os estudantes precisam decorar. Um abraço.

    Curtir

  2. Comentado por:

    walter santos

    O caso de fluido (flÚido) é mais complicado ainda, porque tem o particípio do verbo fluir: fluído (fluÍdo). “O fluido já tinha fluído…”.

    Curtir

  3. Comentado por:

    André Luiz D. Queiroz

    Outra palavra que muitos pronunciam errado, crentes que é o correto: ‘rubrica’! Soa mais “chique” falar “rúbrica”…!

    Curtir