Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

De onde veio a expressão ‘outros quinhentos’?

“Caro Sérgio, tenho muita curiosidade de saber como surgiu a expressão ‘outros quinhentos’, que muita gente usa na frase ‘aí são outros quinhentos’, quer dizer, ‘este é outro assunto, outra história, outro departamento’. Trata-se de quinhentas unidades de quê? E por quê?” (Evandro Simas) Quem socorre Evandro é o escritor e pesquisador potiguar Luís da […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 04h40 - Publicado em 13 jan 2014, 15h57

“Caro Sérgio, tenho muita curiosidade de saber como surgiu a expressão ‘outros quinhentos’, que muita gente usa na frase ‘aí são outros quinhentos’, quer dizer, ‘este é outro assunto, outra história, outro departamento’. Trata-se de quinhentas unidades de quê? E por quê?” (Evandro Simas)

Quem socorre Evandro é o escritor e pesquisador potiguar Luís da Câmara Cascudo, que em seu livro “Locuções tradicionais do Brasil – Coisas que o povo diz” registra para a expressão “outros quinhentos” uma origem no português medieval.

Tudo teria começado com um costume jurídico então vigente na Península Ibérica: fixar em quinhentos soldos (moeda antiga) a indenização que um agressor condenado deveria pagar por injúria. Para tanto, porém, era necessário que a vítima da agressão fosse um membro da nobreza.

Como escreve o autor, “a partir do século XIII os fidalgos de linhagem na Península Ibérica podiam requerer satisfação de qualquer injúria, sendo condenado o agressor em 500 soldos. Quem não pertencesse a essa hierarquia alcançava apenas 300”.

Essa discriminação social é curiosa, mas não vem ao caso. O surgimento da expressão popular prende-se ao fato de que, condenado uma vez a desembolsar quinhentinhos, o agressor poderia incorrer na mesma pena de novo, caso voltasse a insultar a vítima. Nas palavras saborosas de Câmara Cascudo:

Compreende-se que outra qualquer vilta, vitupério sem razão, posterior à multa cobrada, não seria incluída na primeira. Matéria para novo julgamento. Outra culpa. Outro dever. Seriam, evidentemente, outros quinhentos.

 

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Às segundas e quintas-feiras o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br

Continua após a publicidade
Publicidade