Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Ricardo Rangel

Tiro no pé maior nunca se viu

Impedir a publicação do manifesto da Fiesp e da Febraban saiu muito mais caro para Bolsonaro do que teria sido a publicação

Por Ricardo Rangel 1 set 2021, 19h06

Tiro no pé maior do que a pressão do governo para sustar o manifesto da Fiesp e da Febraban nunca se viu.

O texto do manifesto veio a público da mesma maneira, e todo mundo ficou sabendo que industriais e banqueiros estão insatisfeitos com o governo.

Ao entender que um manifesto em favor da harmonia entre os Poderes era uma crítica à sua pessoa, Bolsonaro vestiu a carapuça de que é ele quem contribui para a desarmonia.

Ao manipular bancos públicos para pressionar empresas privadas, Bolsonaro demonstrou que é autoritário, não aceita o contraditório e não respeita a coisa pública.

Ao ameaçar empresários, transformou a insatisfação dos empresários em irritação, quando não raiva.

Ao impedir um manifesto, precipitou a publicação de outro, do setor moderno do agronegócio, muito mais contundente, contra o governo.

Ao sustar um manifesto anódino deu a ele muito mais repercussão do que ele teria se tivesse sido publicado.

E fez tudo isso na cara da sociedade, provocando contra si mesmo enorme desgaste político e eleitoral.

Mais perfeito do que isso, impossível.

Continua após a publicidade
Publicidade