Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sem perdão

Era um sujeito sério, carrancudo, aquele que bebia cerveja sozinho, em pé ao meu lado no balcão do botequim. Com boa vontade, diante da crescente expectativa de vida da população, talvez se pudesse dizer que era um homem de meia idade, mas a verdade é que estava mais para dois terços.

Reparei que ele era a única pessoa em toda a ruidosa clientela da tarde de domingo a não prestar atenção no jogo em andamento na tela gigante atrás do balcão, próxima ao teto. Ao lado da incongruência de seu paletó preto e gravata cinza entre tantas bermudas e chinelos, o perfeito alheamento contribuía para a impressão de que habitava uma bolha, uma transversal qualquer do tempo em que reinasse a mais pura melancolia.

Cheguei a imaginar bestamente, enquanto esperava pela demorada cobrança de um escanteio, que talvez eu fosse o único a enxergá-lo. Seria um fantasma? Quem sabe o famoso Sobrenatural de Almeida? Afinal, era um Fla x Flu.

De repente, em voz baixa, olhos mergulhados em seu copo, o fantasma disse:

– Eu nunca pedi perdão a ele.

Demorei um pouco a entender que falava comigo. Não havia mais ninguém ao alcance de sua voz.

– Oi?

– Meu falecido pai. Tricolor doente. E hoje é Dia dos Pais.

– Eu sei – respondi secamente, tentando cortar o papo. Talvez não fosse um fantasma, mas com certeza era maluco.

– Quanto está o jogo?

– Zero a zero.

– Tomara que o Fluminense faça um gol – suspirou o homem, sem erguer os olhos para a televisão. – Você me avisa se fizer?

– Não precisa. Metade do bar vai gritar, não tem como não saber.

Pela primeira vez, ele moveu a cabeça e olhou para mim.

– Você acha que ele me perdoou?

– Hein?

– O meu pai. Fico imaginando se de repente ele me perdoou, mesmo eu nunca tendo pedido perdão.

– Isso eu não sei. Depende.

– Depende de quê?

– Do que você fez pra ele.

O homem voltou a encharcar seu olhar na cerveja e baixou a voz ainda mais. O que ouvi foi quase um sussurro:

– Virei Flamengo.

Não contive um riso curto.

– Ah, só isso? Pois fez muito bem.

Voltei a me concentrar no jogo e quando me dei conta, um minuto depois, o homem tinha sumido. No botequim agora só havia bermudas, chinelos, risos, torcedores zoando uns aos outros: a mais pura alegria.

Como se habitasse uma bolha ou uma transversal do tempo, eu já não conseguia fazer parte dela.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Casca Fina

    Puxa!
    Além de experiente e profundo mestre da Linguística, o senhor também é hábil escritor.
    Deliciei-me com o texto.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Serginho

    Uma vez flamengo, sempre flamengo!!!
    Hoje vai ser moleza ganhar do time das super poderosas… kkkkkkkkkkkkkkk

    Curtir

  3. Comentado por:

    sergiorodrigues

    Obrigado, Casca Fina. Mas a ordem está invertida: sou um escritor que, entre outros interesses, gosta de pesquisar e escrever sobre a língua portuguesa. Um abraço.

    Curtir