Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Petistas articulam para que Top Top presida o PT. É justo!

Por Rubens Valente, na Folha: Coordenadores da corrente mais numerosa no PT, a CNB (Construindo um Novo Brasil, ex-Campo Majoritário), definiram ontem que o nome de Marco Aurélio Garcia, assessor especial do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, será submetido aos integrantes da corrente nos Estados como provável candidato à presidência do partido, nas eleições […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 20h22 - Publicado em 25 set 2007, 07h13
Por Rubens Valente, na Folha:

Coordenadores da corrente mais numerosa no PT, a CNB (Construindo um Novo Brasil, ex-Campo Majoritário), definiram ontem que o nome de Marco Aurélio Garcia, assessor especial do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, será submetido aos integrantes da corrente nos Estados como provável candidato à presidência do partido, nas eleições diretas da sigla marcadas para dezembro. O nome do candidato será definido entre os próximos dias 6 e 7, em reunião mais ampla da corrente, que deteve cerca de 55% dos delegados do último congresso petista. As outras correntes também deverão ter candidatos próprios. Segundo o secretário de Comunicação do PT e coordenador da corrente, Gleber Naime, o presidente do partido, Ricardo Berzoini (SP), voltou a recusar, ontem, o pedido feito por parlamentares -dos 83 deputados federais, 40 são da CNB- para que tentasse a reeleição. Berzoini, em cuja gestão estourou o escândalo dos petistas que tentaram adquirir um dossiê contra políticos do PSDB, alegou razões familiares para recusar a idéia. Garcia também participou da reunião, ocorrida num hotel de São Paulo e, à saída, confirmou a pré-candidatura. Negou que a proximidade com Lula o prejudique: “Não atrapalha. Ter o nome vinculado ao presidente é uma coisa muito boa. Que eu saiba, o presidente é filiado ao PT, foi eleito no PT. Mas eu não sou candidato do Planalto, quero deixar bem claro isso. Se eu fosse candidato, seria candidato de um grupo expressivo e hoje majoritário no PT”.
Assinante lê mais aqui

Publicidade