Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

PERVERTIDOS ÉTICOS 1 – Sobre porcos fedorentos

É formidável como os vigaristas invertem os fatos e a lógica. Vamos a um dos casos. Tratarei do outro no post seguinte. Resolveram invadir o blog para me cobrar: “Publique a lista das vítimas que a direita fez”. Vocês querem todas mesmo, incluindo as do nazismo e do fascismo? Bem, seria um arquivo gigantesco, que […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 18h40 - Publicado em 3 nov 2008, 17h16

É formidável como os vigaristas invertem os fatos e a lógica. Vamos a um dos casos. Tratarei do outro no post seguinte. Resolveram invadir o blog para me cobrar: “Publique a lista das vítimas que a direita fez”. Vocês querem todas mesmo, incluindo as do nazismo e do fascismo? Bem, seria um arquivo gigantesco, que chamarei de “X”. Mas e se eu tivesse como publicar a lista dos cadáveres que pesam nas costas da esquerda? Teria de multiplicar este “x” por pelo menos 25!!! Mas esse é um campeonato macabro. Quem gosta de fazer conta sobre montanhas de cadáveres são os comunistas. Eu não!

Não me venham com pilantragens. Algum governo ou veículo de respeito tratam (este “ou” vale por um conectivo, e o verbo fica no plural) Pinochet como homem de bem? Idem para ditadores argentinos ou brasileiros? Não! Todos são tratados pelo que são: ditadores. No caso de Pinochet e do argentinos, a pecha de “assassinos” colou de maneira indelével. No caso dos militares brasileiros, isso não se deu, a não ser nos círculos de esquerda, porque a ditadura — que não deveria ter matado ninguém, deixo claro — matou pouco na comparação com as suas congêneres. São 424 as chamadas vítimas do regime militar no Brasil, incluindo os que foram mortos em combate. Na Argentina, que tem 22% da população brasileira, os mortos foram 30 mil.

Quer dizer que os açougueiros argentinos ganham de lavada na América Latina? Não! Ninguém ganha de Fidel Castro, o maior assassino por 100 mil habitantes das Américas. Mas me digam: alguém já me viu a aplaudir Pinochet? Alguém já me viu a aplaudir os facinorosos argentinos? Alguém já me viu a aplaudir os ditadores brasileiros? Quem sempre dá vivas a Geisel é Lula, não eu. Eu quero que os ditadores ditos de direita do continente se danem. Quero que ardam no fogo do inferno.

Então por que os valentões da esquerda não fazem o mesmo com o assassino Raúl Castro, que matou muito mais do que Pinochet ou do que os militares tarados da Argentina? Por que ele será recebido aqui com pompa por Lula? Por que o Apedeuta foi lá paparicar, mais uma vez, o Coma Andante?

Eis uma das diferenças entre um vigarista e alguém que escolhe o caminho dos princípios. Quero que os ditadores se lasquem, todos eles, pouco importa a sua ideologia. Já a vagabundaiada que vem aqui me ofender não consegue se desgrudar das botinas dos facínoras de esquerda. Eu posso escrever coisas como: “Pinochet morreu tarde, e Fidel tarda”. E os petralhas? Podem?

Continua após a publicidade
Publicidade