Clique e assine a partir de 8,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

O VESTIBULAR CRIMINOSO DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FRAUDA A CONSTITUIÇÃO E ATÉ MÚSICA DE CAETANO VELOSO

A Universidade de Brasília, como já escrevi aqui, é a morada do aiatolá Marcos Bagno, aquele professor que já fez fama — e, calculo aqui, fortuna razoável — com suas fabulações sobre o preconceito lingüístico. Trata-se de uma tese intelectualmente vigarista porque mistura dois domínios: os estudos de lingüística, que têm valor descritivo, não normativo, […]

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 31 jul 2020, 11h38 - Publicado em 14 jun 2011, 07h21

A Universidade de Brasília, como já escrevi aqui, é a morada do aiatolá Marcos Bagno, aquele professor que já fez fama — e, calculo aqui, fortuna razoável — com suas fabulações sobre o preconceito lingüístico. Trata-se de uma tese intelectualmente vigarista porque mistura dois domínios: os estudos de lingüística, que têm valor descritivo, não normativo, e os de gramática. Bagno inventou a existência de um preconceito para, então, combatê-lo, como se as nossas escolas fossem verdadeiros centros de tortura da linguagem popular. Não! O nosso problema é bem outro: falta de estrutura e de capacitação intelectual para ensinar a norma culta aos alunos, o que não implicaria desrespeitar, obviamente, as várias “falas” que há no país. A questão é falsa. Os exploradores da boa-fé e da miséria alheias, no entanto, são verdadeiros.

O tema ganhou relevância recentemente por causa do livro “Por Uma Vida Melhor”, da professora Heloísa Ramos, distribuído pelo MEC. Seguindo as pegadas de Bagno, Heloísa faz a mesma confusão de domínios e confere ao erro o valor de uma norma… alternativa! Ao aluno caberia escolher o ambiente adequado para empregar a norma culta ou a outra. Trata-se de uma imbecilidade teórica porque a) ninguém precisa de escola para aprender a errar; b) esse tipo de debate interessa a acadêmicos, sim, mas é uma bobagem levá-lo a alunos dos ensinos fundamental e médio.

Pois bem. A UnB, onde fica o bunker intelectual de Bagno, realizou vestibular neste fim de semana. O tema da redação foi este:
“Flor do Lácio Sambódromo Lusamérica latim em pó: a língua de um povo não se faz com preconceito nem com prescrição”.

Epa! “Flor do Lácio Sambódromo Lusamérica latim em pó” é trecho de uma música de Caetano Veloso chamada “Língua” (segue a letra no pé do post). Caetano não gosta de mim. Não ligo. Ele não é o único. Mas eu gosto dessa canção e já a usei em sala de aula quando era professor. A música fez um relativo sucesso, boa parte dos alunos a conhecia — de lá pra cá, o padrão do que a meninada ouve caiu muito —, e ela ilustra algumas questões interessantes sobre a língua portuguesa. O trecho “Flor do Lácio sambódromo, lusamérica latim em pó” remete à perífrase pela qual é conhecido o português — “Última Flor do Lácio” —, exibe uma palavra criada no Brasil com a fusão de “samba”, que veio do banto, e “dromo”, do grego “drómos”, lugar de corrida —  ou “pista”, por associação de idéias. O Brasil criou uma “pista do samba”, depois “passarela do samba”. A realidade nova recorreu ao estoque de referências da língua para criar uma palavra nova.

Os primeiros versos da letra anunciam: “Gosto de sentir a minha língua roçar/ a língua de Luís de Camões/ gosto de ser e de estar”…  Como se vê, o texto começa com o apelo a um clássico. Em seguida, o autor destaca o fato de que, em português, temos palavras distintas para “ser” e “estar”, à diferença de algumas línguas modernas.  A música traz muitas questões lingüísticas que podem render uma boa conversa em sala de aula e canta as glórias de uma língua viva, dinâmica. O “lusamérica” remete ao óbvio — somos o único país das Américas a falar português —, e o “latim em pó” lembra a origem do idioma. Note-se: sem entrar no mérito do que diz e escreve Caetano, ele se expressa sempre com absoluta correção.

Pouco me importa a intenção do autor ou o que ele possa dizer agora — já que é meio chegadito a “causas progressistas” —, mas o fato é que a música não autoriza os energúmenos que elaboraram a prova a concluir que ela é expressão da tese de que “a língua de um povo não se faz com preconceito nem com prescrição”. A propósito: com preconceito, não se faz mesmo. Não conheço nada de bom que se faça com ele. Mas a língua se faz, sim, com prescrição.

É neste ponto que se revela a fraude intelectual da canalha: tomar a “prescrição” como sinônimo de “preconceito”. É o caráter prescritivo de uma língua que assegura a sua unidade. A palavra “sambódromo” vem bem a calhar. Surgiu de uma realidade física e cultural nova, mas se formou a partir, ora vejam, de conceitos firmados segundo uma… prescrição! Essa gente frauda o debate e frauda até a música de Caetano Veloso.

Mas isso ainda é o de menos. Notem que o examinador não pede nem mesmo que o aluno se posicione diante de um debate. Ao contrário. Para os extremistas, a língua não pode ser prescritiva, mas uma redação pode: O TEMA PRESCREVE A OPINIÃO DO ALUNO. E ai daquele que discordar da tese! Estamos, pois, diante de duas seleções combinadas: a primeira escolhe os alunos que concordam; a segunda, os mais hábeis, espero eu, entre os que concordam.

Finalmente, fico cá a imaginar quais serão os critérios de correção. Por uma questão de coerência, tudo aquilo que a prescrição apontar como erro — a norma culta — deve ser ignorado pelo examinador, certo? Mais: estamos diante da possibilidade se um aluno que se expressa com absoluta correção, mas que discorda da tese, ser preterido em benefício de um quase analfabeto que diz amém!

Continua após a publicidade

A UnB fez uma prova para servir de desagravo a seu aiatolá e impôs uma opinião aos alunos. Não basta dominar um conjunto de conhecimentos para ser admitido na UnB. É preciso concordar com eles. No que respeita à liberdade de expressão, trata-se de uma prova criminosa, que viola o Artigo V da Constituição. Estão previamente censurados todos os que não concordam com os extremistas do professor Marcos Bagno.

*

Segue a letra de “Língua”

Gosto de sentir a minha língua roçar
A língua de Luís de Camões
Gosto de ser e de estar
E quero me dedicar
A criar confusões de prosódia
E um profusão de paródias
Que encurtem dores
E furtem cores como camaleões
Gosto do Pessoa na pessoa
Da rosa no Rosa
E sei que a poesia está para a prosa
Assim como o amor está para a amizade
E quem há de negar que esta lhe é superior
E quem há de negar que esta lhe é superior
E deixa os portugais morrerem à míngua
Minha pátria é minha língua
Fala Mangueira

Flor do Lácio Sambódromo
Lusamérica latim em pó
O que quer
o que pode
Esta língua

Vamos atentar para a sintaxe dos paulistas
E o falso inglês relax dos surfistas
Sejamos imperialistas
Cadê? Sejamos imperialistas
Vamos na velô da dicção choo choo de Carmem Miranda
E que o Chico Buarque de Hollanda nos resgate
E Xeque-mate, explique-nos Luanda
Ouçamos com atenção os “deles” e os “delas” da TV Globo
Sejamos o lobo do lobo do homem
Sejamos o lobo do lobo do homem
Adoro nomes
Nomes em Ã
De coisa como rã e ímã, ímã, ímã…
Nomes de nomes, como Scarlet Moon de Chevalier
Glauco Mattoso e Arrigo Barnabé e Maria da Fé
e Arrigo Barnabé


Incrível
É melhor fazer uma canção
Está provado que só é possível filosofar em alemão
Se você tem uma idéia incrível,
É melhor fazer uma canção
Está provado que só é possível
Filosofar em alemão
Blitz quer dizer corisco
Hollywood quer dizer Azevedo,
E o recôncavo, e o recôncavo, e o recôncavo
Meu medo!

A língua é minha Pátria
E eu não tenho Pátria, tenho mátria
E quero frátria
Poesia concreta e prosa caótica
Ótica futura
Samba-rap, chic-left com banana
Será que ele está no Pão de Açúcar
Tá craude brô, você e tu lhe amo
Qué que’u faço, nego?
Bote ligeiro
Nós cantofalamos como quem inveja negros
Que sofrem horrores no Gueto do Harlem

Livros, discos, vídeos à mancheia
E deixa que digam, que pensem,
que falem.

Texto publicado originalmente às 22h11 desta segunda
Continua após a publicidade
Publicidade